Córrego Fundo (I)

A atual prefeita de Córrego Fundo, Érica Maria Leão Costa/DC que já se declarou como pré-candidata à reeleição, pelo andar da carruagem, concorrerá este ano contra, pelo menos, dois outros candidatos: João Vaz da Silva/MDB e Danilo Oliveira Campos/PSD que, segundo apurado pelo Últimas Notícias, já se movimentam em relação às suas pré-candidaturas.

 Córrego Fundo (II)

João Vaz da Silva já foi prefeito de Córrego Fundo e esteve à frente do município de janeiro a agosto de 2013, quando foi substituído por José da Silva Leão. Danilo Oliveira Campos/PSD, é contador e empresário, rotariano e presidente do PSD em Córrego Fundo.

 

Capitânias Hereditárias (I)

Aqui na cidade das Areias Brancas, em 2016, houve uma operação do Ministério Público que culminou com o afastamento do então prefeito Moacir Ribeiro, de vereadores e até de alguns secretários municipais que recebeu o nome de “Capitanias Hereditárias”. O nome da operação relembra o título da reportagem de julho de 2013, feita pelo Últimas Notícias, que teve acesso exclusivo a um documento em que o município fora teoricamente dividido em regiões distintas, onde cada vereador nominado na tal relação funcionaria como uma espécie de “tutor”, ou melhor, de “donatário” daquele espaço político, deliberando sobre a aplicação ou não das verbas públicas para o atendimento das reivindicações dos habitantes de  tais “capitanias”.

Capitânias Hereditárias (II)

A prática de controle sobre determinadas regiões no que tange à obtenção de verbas e realização de obras ou serviços de interesse das respectivas comunidades por vereador ou vereadores que tradicionalmente mais atuam em tais localidades é comum.  Neste ano, pelo jeito, o “protocolo” sofreu, repentinamente, algumas alterações. Em Baiões, como exemplo, os “donatários” que ultimamente têm aparecido nas redes sociais como responsáveis por certas obras ali realizadas, não são os que ali atuaram durante os primeiros anos deste mandato.

Capitânias Hereditárias (III)

Também quanto à prática recorrente de distribuição de cargos de confiança dentro da esfera legislativa, em especial no tocante aos acertos que são negociados quando se escolhem os membros que deverão compor, ano a ano, a Mesa Diretora.  Neste mês, como exemplo, por aqui tivemos algumas exonerações e promoções, quando se promoveu uma nova dança de cadeiras entre um gabinete e o corpo jurídico que funciona no Legislativo. Tem gente que ficou de fora do acordão e por isto trouxe a público sua indignação com o descumprimento do que lhe fora prometido anteriormente.

DNA confuso (I)

Quem acompanha as redes sociais está a cada dia mais confuso com relação aos verdadeiros “pais” de obras que, convenhamos, ultimamente, tem se multiplicado pelos quatro cantos desta cidade. Tapa buracos, asfaltamentos, calçamentos, melhorias em quadras esportivas, novas unidades de saúde, melhorias em escolas públicas, extensão de redes de iluminação pública, aquisição de veículos e de máquinas destinados aos mais variados atendimentos e muitas outras ações, em especial no combate à Covid-19, que a toda hora são mencionadas nas redes sociais por alguns vereadores, como sendo eles os principais responsáveis pela realização das mesmas. Alguns destes, em vídeos bem produzidos até agradecem ao prefeito pelo atendimento das reivindicações, ficando o povão na dúvida quando a propaganda até certo ponto enganosa, deixa transparecer que o Executivo só funciona depois que o Legislativo toma a iniciativa. Papo furado em época que antecede as eleições!

DNA confuso (II)

Há muito tempo o eleitor percebeu esta forma de atuação de alguns vereadores – felizmente, não de todos – e, nas redes sociais os critica severamente. Algumas vezes se excedendo nas palavras, através de elogios e/ou comentários ali trazidos a público. E o resultado desta ação tem sido negativo para todos os lados. Alguns dos “escribas” estão sendo chamados aos tribunais e, evidentemente, além dos incômodos por todos conhecidos, eles terão, ou não, que arcar com custos, honorários e em alguns casos, até mesmo com as verbas indenizatórias pleiteadas pelos ofendidos. No entanto, é preciso registrar que os proponentes de tais ações,  quando tudo isto vem à tona nas redes sociais, costumam ser tratados como sendo figuras antipáticas e até mesmo, taxados de inimigos do povo, o que, para quem pensa em reeleger-se e depende da obtenção de votos, isto possa vir a  funcionar como “antídoto eleitoral”.

Recanto na Lagoa do Fundão (I)

Nessa quinta-feira (13), a administração municipal entregou à população um Recanto construído na Lagoa do Fundão. Trata-se de um espaço com gramado e mesas à sombra de árvores que foram preservadas durante a obra. O local recebeu o nome de “Recanto Marlene Campos Duarte”.

Recanto na Lagoa do Fundão (II)

Familiares da homenageada e membros do Executivo participaram da cerimônia de descerramento da placa. O mais estranho é que, até o momento, as redes sociais não registram qualquer manifestação dos costumeiros candidatos ao posto de “Pai da nova obra”. O espaço agora disponibilizado ao público já está sendo usado por quem pratica esporte ou deseja um momento de relaxamento junto ao importante ponto turístico de Formiga.

COMPATILHAR: