O homem de 42 anos que envenenou a companheira, de 37, colocando dietilenoglicol na cerveja para ela beber poderá responder por feminicídio. 

A vítima, que estava internada desde abril, não resistiu e morreu em um hospital de Belo Horizonte. A assessoria da Polícia Civil informou que já tomou conhecimento do óbito, e que o inquérito policial está em fase conclusiva.

O crime aconteceu na residência do casal em Mateus Leme, na região metropolitana de Belo Horizonte, no dia 11 de abril, quando o suspeito colocou a substância, que é o mesmo produto do caso Backer, na bebida da companheira.

Dois dias depois, ao começar a passar mal, a vítima foi levada para um hospital da cidade, mas precisou ser transferida para uma unidade de atendimento de Contagem, também na Grande BH, e, posteriormente, para um hospital da capital. O óbito foi registrado na sexta-feira (7).

O suspeito foi preso no dia 19 de abril após se apresentar à polícia e confessar o crime. Ele informou aos policiais civis que comprou a substância pela internet pelo valor de R$ 35, e o produto teria chegado no mês de fevereiro. Ainda na versão do homem à Polícia Civil, o casal passava por crise financeira e brigas conjugais. 

 “Ele está sendo investigado pelo crime de feminicídio na modalidade tentada. A vítima está em estado grave e, caso ela venha a óbito durante as investigações ou durante o andamento da ação, é convertido em feminicídio consumado. A pena passível para esse crime é de 12 a 30 anos de prisão com a causa de aumento do feminicídio”, explicou a delegada Lígia Mantovani durante uma coletiva à época da prisão.

Ainda conforme a assessoria da instituição, outros detalhes do caso serão repassados em momento oportuno.

Fonte: O Tempo Online

Comentários
COMPATILHAR: