O Atlético saiu na frente na decisão do Campeonato Mineiro 2011. O técnico Dorival Júnior apostou na juventude e obteve a resposta em campo. Com um time mais motivado, o Alvinegro bateu a Raposa por 2 x 1, neste domingo (8), na Arena do Jacaré, e reverteu a situação de desvantagem nas finais. Mancini e Patric balançaram as redes para o Atlético. Wallyson descontou para o time celeste.
Por outro lado, o Cruzeiro se mostrou ainda abatido com a eliminação da Copa Libertadores e demorou para se encontrar em campo. Com a vitória, agora o Atlético precisa apenas de um empate para levantar a taça de campeão. As duas equipes voltam a se enfrentar no próximo domingo, às 16h, na Arena do Jacaré.
Contando com a vontade de seus jovens jogadores, como os meias Bernard e Giovanni Augusto, o Atlético iniciou o clássico com fome de bola. Logo no primeiro minuto de jogo, Magno Alves deu um susto no goleiro Fábio. Mancini fez um belo lançamento para o experiente atacante alvinegro e ele chutou firme para o gol. Enquanto a zaga do Cruzeiro ficou parada pedindo impedimento, Fábio fez a defesa e evitou o que seria o primeiro gol atleticano.
Ainda um pouco abatido com a derrota da última quarta-feira, o Cruzeiro se mostrava um pouco desconcentrado em campo. Já o Atlético aproveitava o espaço que tinha pelo lado esquerdo para pressionar a Raposa. E foi por aí que o Alvinegro encontrou o caminho para abrir o placar. Aos 4 minutos, em um lance de bola parada, Mancini cobrou falta direto para o gol, sem chances de defesa para Fábio, e colocou o Atlético na frente.
O time do técnico Dorival Júnior tinha maior domínio da partida, mas o Cruzeiro foi ganhando confiança e passou a sair mais para o ataque. O meia Gilberto mostrava qualidade no toque de bola e, aos poucos, a Raposa ia se aproximando do gol de Renan Ribeiro. Aos 11 minutos, Montillo cobrou escanteio e, na sobra, Gilberto chutou forte contra o gol atleticano. Atento, Renan fez a defesa.
Agilidade era a tônica das duas equipes, que apostavam nos rápidos contra-ataques. Depois de aparecer bem com Wallyson e Ortigoza, o Cruzeiro acabou sendo recompensado. Montillo, que até então tinha uma atuação discreta, arrancou do meio de campo, deixou a marcação do Atlético para trás e deu um belo passe para Wallyson. De volta à Raposa após dois jogos fora, o atacante não desperdiçou e empatou para o Cruzeiro.
O Atlético não se abalou com o gol e continuou dando trabalho para a defesa celeste. Aos 36 minutos, Magno Alves achou Patric na direita e, sem marcação, o lateral ficou livre para tocar para o fundo do gol de Fábio. O Atlético queria mais, mas, antes do fim da etapa, foi o Cruzeiro que ainda reclamou de um impedimento mal marcado pelo bandeirinha.
Apesar da situação de desvantagem, o Cruzeiro diminuiu o ritmo no segundo tempo e mostrou dificuldades para chegar ao gol do Atlético. Do outro lado, o Alvinegro tocou a bola, administrando a vantagem construída na etapa inicial. Aos 7 minutos, o Atlético teve a chance de fazer o terceiro, com Patric, mas o lateral acertou a rede pelo lado de fora. O Atlético ainda reclamou de um pênalti em Neto Berola, substituto de Magno Alves.
Precisando de mais um gol para evitar a derrota, o Cruzeiro cresceu nos minutos finais e teve duas boas chances de empatar. A primeira foi em um chute na trave de Gilberto. Na sequência, Wallyson também teve a oportunidade de fazer o gol em uma cabeçada defendida por Renan Ribeiro. No finalzinho da partida, o Cruzeiro se surpreendeu com o inesperado: Montillo fez falta em Giovanni e acabou expulso, sendo o desfalque uma preocupação para o Cruzeiro na grande final.

Comentários