Uma notícia trouxe esperança esta semana para as grávidas. Os pequenos Enrico e Antonella vieram ao mundo com o que todo mundo mais quer nessa pandemia: imunidade contra a Covid-19. Eles já nasceram com anticorpos. Agora, pesquisadores brasileiros vão estudar se a proteção é duradoura.

Enrico nasceu dia 9 de abril em Tubarão, Santa Catarina. A mãe é médica, trabalha no posto de saúde e, por isso, teve direito a ser vacinada. É o primeiro caso conhecido no Brasil de transferência da imunidade da grávida para o bebê depois da vacina CoronaVac.

Os médicos explicam que a passagem de imunidade da mãe para o bebê aconteceu graças a transferência placentária, ou seja, os anticorpos chamados IGG, desenvolvidos pelo sistema imunológico da mãe depois da vacina, cruzaram a placenta e chegaram até Enrico.

O caso da pequena Antonella, de Cruzeiro do Sul, no Acre, que também nasceu imunizada, foi diferente. A mãe, a empreendedora Joyce Ramirez, teve sintomas leves da Covid quando estava no oitavo mês de gravidez e não havia tomado nenhuma vacina contra o coronavírus.

“No resultado do meu exame, estava lá que eu contraí o vírus, estava imune, estava com anticorpos bem reagentes. E, para a nossa surpresa, quando eu fiz o exame dela, estava lá o resultado que a Antonella já estava imune também”, conta Joyce.

Fonte: G1

Comentários
COMPATILHAR: