O conselheiro Dirceu de Oliveira Costa, do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), bem que tentou impedir os impactos ambientais na região de São José da Barra, Capitólio, Piumhi e Pimenta, onde serão instaladas novas linhas de transmissão de energia por parte de Furnas Centrais Elétricas.
Passaram-se pouco mais de dois meses que o conselheiro pediu vistas ao projeto, conforme foi divulgado pelo jornal Nova Imprensa, na edição do dia 6 de março; já no dia 27 de março, foi noticiado que o Copam acatou o relatório de vistas e baixou o projeto da pauta. Porém, ele foi aprovado na reunião da Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram – Alto São Francisco), ocorrida no último dia 28, apesar de três condicionantes.
Elaboradas pelo próprio Dirceu Costa, as condicionantes são: 01: ?Apresentar proposta de criação de Centro de Educação Ambiental no município de Capitólio, inclusive para educação turística, prazo: na formalização da LO; nº 02: Apresentar projeto de readequação e manutenção das estradas de acesso ao empreendimento, prazo: na formalização da LO e nº 03: Apresentar proposta de compensação ambiental à CPB de que parte dos recursos provenientes dessa compensação sejam destinados ao Parque Municipal a ser criado em Capitólio?.
Mesmo incluindo as condicionantes, Dirceu Oliveira votou contra o projeto. Ele justifica que ?uma vez aprovado o projeto, ele estaria mitigando os danos? e inda alegou que, quando o projeto é colocado em votação, não se sabe o que vai acontecer. ?Meu objetivo com as condicionantes era mitigar e compensar os danos ambientais. Eu estava convencido de que a instalação das vias de transmissão resultaria em danos ambientais desnecessários. Meu objetivo quando pedi vistas ao projeto era evitar danos à sociedade e ao meio ambiente. Não atingi o ideal, mas minha participação foi positiva, pois as condicionantes pelo menos vão mitigar os danos?, conclui o conselheiro.
A Licença de Instalação da Companhia de Transmissão Centroeste de Minas se refere à linhas de transmissão em 345 KV Furnas ? Pimenta II e demais instalações associadas, sendo a licença válida por dois anos, desde que cumpridas as condicionantes.
A redação do Nova Imprensa entrou em contato com a assessoria de comunicação de Furnas Centrais Elétricas para saber sobre o cumprimento das condicionantes impostas para a instalação das torres. A resposta obtida foi que a Companhia de Transmissão Centroeste de Minas recebeu na última terça-feira (5) a Licença de Instalação (LI). O diretor Laércio Mazzo esclareceu ainda que os especialistas da estatal ?estão analisando as condicionantes estabelecidas pelo Órgão Ambiental e tomará todas as providências para atender as referidas condicionantes e, no menor prazo possível, colocar em operação esta importante linha para o Estado de Minas Gerais.

Comentários
COMPATILHAR: