Tudo que o torcedor, diretoria e jogadores do Cruzeiro temiam, aconteceu. O drama celeste na Copa Libertadores voltou a se repetir, desta vez em casa, e da pior forma possível. Com a vitória praticamente garantida, o Cruzeiro vacilou e viu o Defensor-URU empatar aos 48 minutos do segundo tempo, nesta quinta-feira, jogando um balde de água fria no time e na torcida.

O jogo tenso, com muitas faltas e duas expulsões, uma de cada lado, terminou em 2 a 2, no Mineirão, pela quarta rodada do grupo 5 da Copa Libertadores. Everton Ribeiro e Júlio Baptista fizeram os gols da Raposa. Gedoz e Zaballos empataram para os uruguaios.
O resultado deixa a situação complicada para a agremiação estrelada na competição. A equipe celeste está em terceiro, com quatro pontos, três a menos que os uruguaios, agora com sete. O líder do grupo é a Universidad de Chile, que tem nove pontos e é a adversária dos mineiros na próxima rodada, na casa do adversário, quando o clube estrelado precisa vencer para não correr o risco de ser eliminado na primeira fase.
Precisando da vitória e empurrado pela torcida, o Cruzeiro começou o jogo com um ritmo aluciante. Marcando sob pressão, a Raposa chegava com artilharia pesada, com velocidade e movimentação constante. Apesar de bem fechado, o Defensor-URU não se limitou a defender e teve a primeira chance de perigo com Gino, mas Fábio mandou para escanteio.
A agremiação estrelada respondeu com dois chutes de fora da área, com Goulart, aos 11 minutos, e Júlio Baptista. Tentando conter as investidas celestes, os visitantes começaram a fazer cera em cada lance de bola parada, o que irritou demais a torcida mandante.
A catimba deixou o clima tenso, que esquentou de vez após uma falta dura em Dagoberto. Na confusão, marcada por empurrões e discussões, Nilton, do Cruzeiro, e Matias Malvino, do Defensor-URU, foram expulsos.
Na cobrança de falta, para acabar com qualquer tipo de drama na partida, o meia Everton Ribeiro mandou no ângulo, aos 49 minutos, marcando um golaço.
Com a vantagem no placar, o Cruzeiro diminuiu o ímpeto no segundo tempo, no entanto levava muito perigo nos contra-ataques. E foi assim que Júlio Baptista, aos 17 minutos, ampliou o marcador. Após boa jogada individual, o camisa 10 mandou de curva no ângulo.
Tentando se manter vivo no jogo, os uruguaios diminuíram três minutos depois com Gedoz. Quando parecia que a vitória estava garantida, Zeballos empatou aos 48 minutos do segundo tempo e complicou a vida celeste na competição Sul-Americana.

Comentários
COMPATILHAR: