Mesmo sem entrar em campo na derrota do Atlético para o Fortaleza nesse domingo (30), na estreia da equipe no Brasileirão, o atacante Diego Tardelli se despediu do clube e foi homenageado no Mineirão. Um dos maiores ídolos do Galo não terá seu contrato, que termina na segunda (31), renovado com o clube. Em meios às homenagens, o jogador se emocionou e falou sobre ter o nome marcado na história do Atlético. 

Após meses de luta, cercado por lesões, o atacante precisou encerrar sua terceira passagem pelo clube. Com sete títulos alvinegros na bagagem, Tardelli não conseguiu corresponder em 2020, após ter uma grave lesão no tornozelo. Em 2021, o jogador teve algumas oportunidades, mas logo as lesões o atrapalharam novamente. Tardelli nem entrou em campo no seu jogo de despedida, porque estava com dores na região lombar. 

Das mãos do presidente Sérgio Coelho, o jogador recebeu uma placa em homenagem à sua história com o clube. Apesar do período difícil que viveu no Atlético nesta passagem, o atacante relembrou os belos momentos que viveu com a camisa alvinegra. 

“Muito difícil pra mim esses últimos três dias. Ter essa despedida de um clube que abriu as portas para mim, desde 2009. Acreditou em mim, teve uma torcida que me apoiou desde o primeiro minuto, desde a minha chegada aqui no Atlético. Eu sou muito grato a tudo que eu vivi aqui. Sou grato pelos títulos, pelos gols, pela história que eu criei aqui dentro do Atlético, um clube gigante. Sair como um ídolo… Isso não tem preço. Vai ficar pro resto da minha vida. Por gerações e gerações. Em 30, 40 anos, todos vão lembrar do Diego Tardelli. Todos vão lembrar do Victor, enfim…”, disse o jogador 

Por conta da pandemia, a torcida não esteve, mais uma vez, presente no estádio. Tardelli lamentou a ausência da massa, mas falou, mais uma vez, sobre a expectativa de se despedir na Arena MRV, futuro estádio do Atlético, que tem previsão para ser inaugurado em 2022. 

“É uma pena que a massa não tá aqui para acompanhar esse momento, mas eu tenho certeza. Meu ciclo se acaba hoje, mas a minha história nunca vai ser apagada e como eu falei, eu quero daqui dois, três anos, quando encerrar de vez a minha carreira, quero estar do lado da massa para despedir deles, porque foram fundamentais na minha trajetória. Eu devo tudo ao Atlético. Muito obrigada pelo carinho. Vou sentir muita saudade, mas vida que segue”, desabafou o jogador.

Fonte: O Tempo

Comentários