Para os familiares de Jussara, a confirmação das prisões de Nilson Rodrigues, 19 anos, e Leandro Martins da Conceição,18 anos, acusados de matar a formiguense Jussara Favarini, aumentou a revolta pela crueldade. Emocionada, a irmã da empresária, a administradora Júnia Cristina de Paula, desabafou: Quero que eles sofram. O que fizeram com minha irmã foi uma monstruosidade que não tem perdão. .
Em entrevista, Júnia de Paula mostrou sua indigniação e sofrimento com o assassinato da irmã, que tinha apenas 26 anos de idade.
Como vocês souberam da confirmação da prisão dos suspeitos pelo crime?
No enterro, sábado, dois investigadores já tinham nos informado das prisões. Hoje [domingo (19)] eles ligaram e contaram que os assassinos tinham confessado.
Como foi saber que sua irmã foi violentada?
É revoltante. O que esses homens fizeram com a minha irmã foi uma monstruosidade. Eles foram covardes demais com ela. Destruíram duas famílias.
Você acredita que Jussara realmente tenha reagido?
É possível que sim. Minha irmã tinha pavor de brigas, de injustiças e de se sentir ameaçada. Certamente, ela ficaria muito tensa e faria alguma coisa.
Como foi a reação da família ao saber de como foi o crime?
Meu cunhado ficou revoltado. Chorou muito. Mas, ao mesmo tempo, se sentiu aliviado pelo fato de a polícia já ter prendido os dois. Minha mãe está forte com a situação. Já meu pai não sabe do que realmente aconteceu. Dissemos para ele que foi um acidente. Ele já é um senhor de 70 anos, teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e falar o que realmente aconteceu seria agressivo.
E seu cunhado? O que ele diz?
Ele está se sentindo culpado por ter dado a Mitsubishi para a minha irmã e acha que isso pode ter atraído os bandidos. Chegou a pedir perdão para a minha mãe. Eles eram casados há dois anos, após cinco anos de namoro. Não vai ser fácil porque eles viviam juntos. Ela trabalhava na empresa que ele é dono e estavam sempre um com o outro. Planejavam ter um filho.
Qual a lembrança vai ficar da Jussara?
A de uma pessoa maravilhosa, iluminada. Era ela linda não só fisicamente, mas por tudo que fazia. Era muito cuidadosa com as pessoas, uma boa esposa, carinhosa, amiga e muito leal.

Suspeitos estavam tranquilos em depoimento
Apesar de presos, Nilson Rodrigues, 19, e Leandro Martins, 18, não esboçaram arrependimento pela morte da empresária Jussara Favarini. De acordo com o delegado Samuel Barreto, os dois contaram como foi o crime com riqueza de detalhes e extrema tranquilidade.
O delegado informou que Rodrigues já responde a outro inquérito por roubo e é suspeito de assaltos em série em Uberlândia. Já Martins foi apreendido pela primeira vez quando ainda era adolescente e estava sob liberdade assistida. O terceiro, Leonardo Dantas, já respondeu a outro processo por receptação de produtos roubados.
Os dois primeiros foram autuados por latrocínio ? roubo seguido de morte ? e Dantas por receptação. O trio foi levado para o Presídio Jaci de Assis.

Entenda o crime
16 de junho (quinta-feira)
17h – Jussara sai da empresa onde trabalhava para ir à academia e acaba rendida quando chegava ao local.
19h – Após ser obrigada pelos bandidos a circular pelas ruas de Uberlândia, a empresária é levada até a BR-452, onde é estuprada e morta. Os suspeitos fogem no carro de Jussara até a cidade de Corumbaíba, em Goiás.
17 de junho (sexta-feira)
2h – Depois de pegar roupas na casa de familiares, eles voltam para Uberlândia.
11h – Antes de abandonar o carro de Jussara no bairro Brasil, na região central da cidade, os suspeitos vendem o estepe, o macaco e uma roda do veículo por R$ 80. Eles são flagrados por câmeras de uma empresa.
18 de junho (sábado)
15h – Com a identidade revelada, eles são presos e confessam o crime.

Comentários