Saúde convoca população para combater a dengue

A participação popular no combate à dengue é fundamental para evitar novas epidemias. Nesta época do ano, em que há maior transmissão da doença, a mobilização de moradores para combater focos do mosquito Aedes aegypti aumenta e o poder público precisa se desdobrar para atender todos os chamados. Em Belo Horizonte, cada regional atua em sua área, mas cidades como Betim, na Grande BH, já registram 50 denúncias por dia a respeito de problemas como lotes vagos sujos, caixas-d?água destampadas e pratos de plantas sem proteção nos quintais.
Na última pesquisa feita pelo Ministério da Saúde, em julho do ano passado, 90% das pessoas responderam que se sentem bem informadas em relação a dengue e seus sintomas, 97% já viram campanhas educativas e 55% não adotam medidas de combate a focos em casa porque acreditam que isso não vai adiantar nada, já que o vizinho também não colabora.
Diante desse resultado, o governo federal tem investido em propagandas educativas direcionadas para cada região, respeitando as especificidades de cada área. ?Fazemos uma mídia regionalizada e usamos informações epidemiológicas do local que queremos atingir. Nosso objetivo é transformar o conhecimento que cada pessoa tem em ações efetivas no combate à dengue dentro de seus domicílios?, afirma o secretário-adjunto de Vigilância em Saúde, Fabiano Pimenta.
De acordo com a gerente de controle de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde, Silvana Tecles Brandão, nem todas as reclamações são resolvidas pelos agentes. A Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) é acionada para a limpeza de lotes vagos e a BHTrans nos casos de carros abandonados nas ruas. ?Se há alguma denúncia a respeito de um foco de dengue, nossos agentes de zoonose fazem a vistoria e, se não for da competência deles, o caso é encaminhado para outro órgão. O importante é que percebemos que as pessoas estão assumindo a responsabilidade de combater os focos, que é uma luta de todos?, garante Silvana.
Este ano ainda não há registro, em nenhuma regional de Belo Horizonte, de ações que exijam o arrombamento de imóveis para vistorias. ?Já temos amparo legal para essas ações, com a publicação de uma portaria municipal, mas ainda não há registro em nenhuma regional da necessidade desse tipo de intervenção?, diz Silvana Tecles.
Na próxima semana, os oito municípios que integram o Plano Metropolitano de Combate à Dengue terminam o Levantamento de Índice Predial (Lira). Participam desse trabalho os profissionais de saúde de Belo Horizonte, Contagem, Ibirité, Pedro Leopoldo, Vespasiano, Ribeirão das Neves, Santa Luzia, Sabará e Betim.
O último Lira feito em Betim mostrou que 1,2% dos imóveis apresentam larvas do vetor. São 75 casos notificados, quatro confirmados, 10 descartados e 61 em investigação. ?Recebemos muitos chamados dos moradores, que reclamam a respeito dos focos. Nas nossas pesquisas identificamos que os pratinhos de vasos de plantas são os principais problemas, por isso precisamos alertar que o perigo ainda está dentro de casa?, adverte o gerente da Zoonose de Betim, Flávio Viegas.

Comentários