Minas Gerais adere nesta quarta-feira (9), à campanha Race to zero, tornando-se o primeiro estado da América Latina e de países em desenvolvimento a se comprometer com o movimento que busca a adesão de atores em todo o planeta em torno da meta de zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050.

O governador Romeu Zema e o embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson, formalizam na cidade administrativa o engajamento do estado na campanha, criada em junho de 2020, e que já soma, mundo afora, mais de sete centenas de cidades parceiras, 24 estados, mais de duas mil empresas – 86 delas, brasileiras -, 163 grandes investidores globais, mais de 600 universidades de ponta.

São fatores que representam cerca de 15% da economia global. Em Minas, destaca-se a adesão de Ouro Pretoe da Universidade Federal de Minas Gerais. No Brasil, aderiram também as capitais Curitiba, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, além de Terra Nova do Norte (MT).

A poucos meses da COP26, – Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) de Mudanças Climáticas – evento global que acontecerá entre os dias 1º e 12 de novembro em Glasgow, na Escócia, este é um movimento que irá projetar Minas Gerais globalmente, e, dentro do país, trata-se de uma sinalização do estado para as demais unidades federativas e, sobretudo, para o governo federal de que está no caminho para descarbonizar de sua economia. 

A candidatura à campanha será submetida a um grupo de especialistas liderados pela Universidade de Oxford, que avaliam tecnicamente o pleito, concedendo um prazo de 12 meses para que o estado, apresente as ações para alcançar não apenas o objetivo de zerar as emissões de gases de efeito estufa até 2050, mas, também, os objetivos parciais, ou seja, quanto terá reduzido em 2030 e em 2040. 

Em entrevista aoEstado de Minas, Gonçalo Muñoz, um dos líderes da campanha, representando o Chile, último sede da COP afirmou: “Cada vez mais ampliamos as adesões no mundo, com novos parceiros engajados nesta corrida para um futuro mais justo, verde e resiliente. É muito importante fortalecermos o multilateralismo, em que os atores, diferentemente dos estados nacionais, vão cumprir cada vez mais um papel importante”, acrescenta ele. 

De acordo com Muñoz, que carrega o título da ONU de “High-Level Climate Champions for Climate Action” a campanha Race to Zero já alcança o objetivo de chegar à COP26 com ampla coalizão de apoios globais para a mudança em direção à uma economia descarbonizada, de modo a pressionar governos nacionais a ampliar as suas contribuições para alcançar as metas do acordo de Paris. 

Fonte: Estado de Minas

Comentários
COMPATILHAR: