Em quase três meses de vigência da Lei Seca, uma notícia desanimadora para os motoristas que insistem em dirigir sob efeito do álcool: os batalhões e companhias da Polícia Militar das principais cidades de Minas Gerais vão receber 167 bafômetros. A empresa Ribicco, do Rio Grande do Sul, foi declarada vencedora do processo de licitação na segunda-feira e, de acordo com o edital, o prazo para repasse dos equipamentos é de até 45 dias. Outras seis empresas participaram do pregão eletrônico, mas, por apresentar o lance mais baixo e estar habilitada a fornecer os equipamentos, a Ribicco foi o fornecedor escolhido. A compra pelo governo do estado vai custar R$ 1.016.529, ao valor unitário de R$ 6.087.
Os aparelhos serão repassados ao Centro Farmacêutico da Polícia Militar, cuja comissão técnica vai avaliar algumas especificações e confirmar o laudo do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), que deve tê-los aferido em no máximo um ano. Depois da aprovação, a PM deve distribuir os equipamentos para as principais companhias e batalhões da corporação.
Os órgãos públicos comemoram os resultados desde a entrada em vigor da nova legislação, em 20 de junho, o que significa, além da redução de mortes e feridos, menos gastos. Balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostra que, nos primeiros 60 dias, houve queda de 13,6% nos acidentes com mortes nas estradas federais, uma economia de R$ 48,4 milhões para os cofres públicos.

Fiscalização
A Associação Nacional dos Detrans (AND) deve repassar, em outubro, 108 bafômetros para os estados. A previsão é de que cada Departamento Estadual de Trânsito (Detran) receba quatro equipamentos, cedidos pela Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização (Fenaseg) para ajudar no cumprimento da Lei Seca e, conseqüentemente, na redução de acidentes, que implica redução nos gastos com
segurados.

Fomiga
Na manhã de hoje, 17, entramos em contato com o assessor de comunicação da 13ª Cia Independente da PM, Cabo Ricardo, que disse que não há previsão de que um desses bafômetros venha para Formiga. Segundo ele, depois de comprados e recebidos é que os bafômetros são direcionados para uma cidade ou outra, mas que até agora não há nenhum indício de que um dos bafômetros virá para a cidade.
Apesar disso, a falta do bafômetro não impede a aplicação das multas caso necessário, uma vez que existem meios de constatação de embriaguês além do uso do bafômetro.

Comentários