A Secretaria de Estado de Governo (Segov) divulgou nota na tarde dessa terça-feira (31) em que critica um suposto aumento de R$ 0,40 no preço do pedágio cobrado na MG-050 a partir das 0h desta terça, por meio de uma liminar. Um desses postos fica em São Sebastião do Oeste, no Centro-Oeste.

No texto, o governo faz críticas ao que classifica como “uma atitude unilateral” por parte da concessionária Nascentes das Gerais, que administra a rodovia.

A Nascentes das Gerais disse que o aumento começará a valer nesta quarta-feira (1º).

De acordo com a Segov, a Nascentes das Gerais feriu o princípio do diálogo permanente ao começar a cobrar, a partir da meia-noite desta terça-feira, tarifa de pedágio com o valor reajustado nas seis praças de cobrança existentes nos 372 quilômetros concessionados. “Assim, o valor que era de R$ 5,10 passou para R$ 5,50 para veículos de passeio”, disse o órgão do Estado.

No dia 16 de janeiro último, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) encaminhou notificação extrajudicial à concessionária para que o preço do pedágio não fosse aumentado. “Tendo em vista a situação de desequilíbrio econômico-financeiro que se encontra o contrato de concessão”, justificou a Setop.

 “Esta ação unilateral da concessionária Nascentes das Gerais contraria os princípios do diálogo que vinha sendo conduzido pela Setop em defesa dos interesses dos usuários da via e, assim, da melhoria da qualidade do serviço prestado. A Advocacia Geral do Estado (AGE) irá recorrer da decisão”, finalizou a Secretaria de Governo estadual.

De acordo com a assessoria da pasta estadual, nesta segunda-feira (30) a concessionária publicou um comunicado no qual garantiu que o aumento começaria a valer à meia-noite de terça-feira.

Ainda segundo o órgão, durante a manhã o 0800 do Estado recebeu muitas reclamações sobre o aumento no preço do pedágio de R$ 5,10 para R$ 5,50. “Um desses relatos contou que durante a tarde o painel de um dos postos de pedágio tinha o preço de R$ 5,50 coberto com uma lona e que o preço de R$ 5,10 estava sendo novamente cobrado”, disse.

 

 

Fonte: G1 ||

Comentários
COMPATILHAR: