No início da tarde desta sexta-feira (9) a redação do portal Últimas Notícias recebeu um comunicado (Nota à imprensa), de autoria do ex-provedor da Santa Casa de Caridade de Formiga, Geraldo Couto, onde ele expõe sua indignação pelo julgamento que a sociedade formiguense está fazendo a respeito dele, em razão do afastamento da diretoria da instituição.
Na nota, Geraldo Couto pontua o que já havia declarado, em outras ocasiões, referente às dificuldades enfrentadas pela Santa Casa, como o déficit financeiro existente e o atraso de repasse e pagamento de honorários profissionais. Novamente o ex-provedor declara que isso aconteceu devido ao atraso dos repasses de recursos municipais e estaduais.
Geraldo Couto foi afastado do cargo, por ordem judicial exarada no dia 19 de dezembro, ocasião em que documentos contábeis da Santa Casa foram aprendidos pela Polícia Civil e ainda na noite do mesmo dia, uma comissão interventora foi nomeada pela Justiça, para gerir os destinos da entidade e iniciar as averiguações de praxe.
Confira na íntegra a nota do ex-provedor:
NOTA À IMPRENSA

Tendo em vista o lamentável, absurdo e inaceitável julgamento público ao qual estou sendo submetido, por conta de meu afastamento das funções de provedor da Santa Casa de Formiga, venho, pela presente, manifestar-me em relação a alguns termos.
Exerço, há mais de 35 anos, com dignidade e orgulho, a profissão de médico cirurgião, em Formiga e região. Além da medicina, dando continuidade ao trabalho árduo iniciado por meu saudoso e valoroso pai (Paulo Couto), participei da ampliação do grupo empresarial da minha família, tornando-o um dos mais respeitados da região, gerando riquezas e empregos para mais de uma centena de pessoas.

Respeitando e mantendo a tradição beneficente e católica de minha família ? e por nenhuma outra razão, em absoluto ?, aceitei, com muita honra, o cargo de provedor da Santa Casa de Formiga, zelando, dentro do possível, pela otimização da prestação de serviços de saúde à população da cidade e região.

Muitas foram as dificuldades enfrentadas no período em que estive à frente da Santa Casa, sendo inegável que as limitações estruturais e financeiras do Hospital são por todos conhecidas. O fato é que todas as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, de todo o Brasil, sofrem com a escassez de recursos financeiros, excesso de demanda, ausências de leitos resolutivos, carência de profissionais qualificados, etc., não sendo tais problemas exclusivos da Santa Casa de Formiga.

Mesmo assim, durante todos esses anos, dediquei ? assim como todos os irmãos benfeitores ?meu tempo, energia e experiência nessa empreitada, atuando não apenas como gestor do Hospital, mas também como médico integrante do corpo clínico, realizando, inclusive, plantões com o mesmo empenho dos tempos de médico residente.

As supostas dívidas milionárias apontadas pelos atuais interventores, constituem, na verdade,investimentos feitos pela Santa Casa em equipamentos (compra do primeiro aparelho de Tomografia Computadorizada de dois canais) e em estrutura física (construções e reformas, como: UTI Adulto, UTI Neonatal, ampliação do Centro Cirúrgico e do Centro de Imagem e ampliação da Maternidade para Maternidade Regional e de Alto Risco), realizados através de financiamentos de médio e longo prazo, cujos pagamentos, até novembro de 2014, encontravam-se rigorosamente em dia. Além disso, a liquidez do Hospital, no final de 2014, era de 1.39, ou seja, a cada R$ 1,00 devido, a Santa Casa possuía R$ 1,39 disponível para pagar.
Todos estes investimentos e suas deliberações foram realizados com aprovação em todas as instâncias pelos irmão benfeitores, e consignadas em atas.
Para citar dados concretos que contrariam as inúmeras dificuldades e problemas agora colocados em evidência ? somente em relação ao período de janeiro a outubro de 2014 ?, foram realizados, a título exemplificativo: 6.780 internações; 6.105 cirurgias; 760 partos; 37.309 atendimentos ambulatoriais; 20.896 exames de raios-x; e 5.920 tomografias, dentre outros inúmeros procedimentos.

A Pesquisa de Satisfação realizada em outubro de 2014 demonstrou que o atendimento foi considerado, pelos pacientes do SUS, ótimo (78%) e bom (21%), sendo praticamente idênticos aos percentuais das entrevistas realizadas com os pacientes particulares ou de convênio (79% e 18%, respectivamente).

Foram implantados na Santa Casa, no ano passado, novos serviços, como hemodinâmica (cateterismo, angioplastia, etc.), cirurgias endovasculares, tomografia computadorizada de 128 canais (alta resolução), implantação de dezoito leitos de UTI Neonatal, já credenciado em dezembro pelo Ministério da Saúde, serviços estes que melhoram a ASSISTENCIA a SAUDE da população de Formiga e região.

A Santa Casa de Formiga atingiu, com o ímpar índice de 93%, as metas do 2º quadrimestre de 2014 do Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos ou de Ensino ? Percentual de internações reguladas pelo SUSFácilMG.

O déficit financeiro existente hoje na Santa Casa e com suas respectivas consequências ( atraso de repasse e pagamento de honorários profissionais, etc… ) é proveniente de atraso de repasse recursos, MUNICIPAIS, ESTADUAIS desde o ANO DE 2012,? até outubro de 2014, eram devidos ao Hospital, pela Secretaria de Estado de Saúde, R$ 2.473.120,68, e, pela Prefeitura de Formiga, R$ 723.446,00 ? que foram agravados, em dezembro passado,( assim como todos os demais hospitais do Brasil), a Santa Casa ainda não recebeu do Ministério da Saúde o repasse financeiro da contratualização dos meses de novembro e dezembro de 2014.

Nesse contexto, mais do que a surpresa com minha abrupta remoção do cargo citado acima ?realizada, inclusive, com a desnecessária presença policial, o que se repudia, de forma veemente, e que será objeto de questionamento, em tempo e foros oportunos ?, consigno, aqui, minha tristeza e indignação com a distorcida, maldosa e leviana repercussão que o caso tomou, registrando, ainda, que permaneço e permanecerei, de cabeça erguida, enfrentando todas as injustas imputações que me estão sendo feitas, tomando, desde já, todas as medidas judiciais cabíveis.

Finalmente, registro, mais uma vez, meu incondicional amor, carinho e respeito pela medicina, pela Santa Casa de Formiga, e, sobretudo, pelos pacientes, aos quais tenho me dedicado, durante toda a minha vida, e continuarei me dedicando, enquanto a graça de Deus assim permitir.

Formiga/MG, 09 de janeiro de 2015.

Geraldo Magela Antunes Couto

Comentários
COMPATILHAR: