Todo mundo conhece alguém que vive derrubando tudo que aparece pela frente. É a falta de coordenação motora, um problema comum, que normalmente vem desde cedo, mas que pode ser amenizado com alguns exercícios específicos.
A terapeuta corporal Mônica Monteiro e o fisioterapeuta David Costa dão dicas sobre o problema.
Os movimentos do corpo dependem tanto do cérebro, que dá o comando, quanto dos músculos, responsáveis pela execução. Por isso, uma boa coordenação motora passa primeiramente por músculos bem estruturados.
A participação do cérebro vem na compreensão das informações. Uma pessoa só consegue executar bem o movimento se entender bem o que deve fazer.
A ação de uma pessoa pode ser coordenada, descoordenada ? quando ela tem dificuldade para controlar seus movimentos corretamente ? ou incoordenada ? quando a pessoa pensa em fazer um movimento, mas faz outro.
A descoordenação pode ser por uma questão de pouca habilidade corporal, ou então por alguma lesão que prejudica os movimentos. Já a incoordenação geralmente está associada a alguma doença.
Tropeçar, esbarrar nos móveis e deixar objetos caírem no chão são aceitáveis para pessoas levemente descoordenadas. Porém, quando são muito recorrentes, podem sinalizar algum problema mais grave ? como a dismetria, um distúrbio que faz com que a pessoa não tenha muita noção de distância.
Umas pessoas têm mais facilidade que outras, mas a coordenação motora está ao alcance de todos nós. Se os pais identificarem a dificuldade na criança, devem procurar um psicopedagogo para fazer os exercícios desde cedo.
Marchar é um exercício perfeito de coordenação motora, pois os braços fazem o movimento contrário ao das pernas. Outras boas opções são andar em linha reta ou em ziguezague.

Comentários
COMPATILHAR: