Redação UN – Com informações da Agência Minas

Formiga deve entrar, pela primeira vez, na zona de maior restrição do programa Minas Consciente, do Governo de Minas: a Onda Vermelha. A decisão é do Comitê Extraordinário Covid-19 que definiu nesta quarta-feira (30) que as regiões Centro e Oeste de Minas Gerais passarão para a onda vermelha do Minas Consciente devido ao aumento crescente de casos.

Com a determinação, 9 entre as 14 regiões do estado estão na onda mais restritiva do plano de retomada segura da economia.

O Últimas Notícias entrou em contato com o prefeito Eugênio Vilela que confirmou que, a partir da adesão do município ao Minas Consciente, não há outra coisa a se fazer a não ser respeitar as medidas previstas na onda em que Formiga estiver e tomar todas as medidas necessárias para seu cumprimento.

A administração ainda informou que além da determinação para a macrorregião oeste, que passará para a onda vermelha, há ainda as definições por microrregião, sendo esta última sempre adotada por Formiga desde a adesão ao programa. Porém, na microrregião onde Formiga está inserida, ainda não foram atualizadas as cores das ondas, o que deverá ocorrer nesta quinta-feira (31), quando o Executivo decidirá sobre as medidas a serem tomadas.

A onda vermelha permite apenas o funcionamento de serviços essenciais como farmácias, supermercados, padarias e bancos. Assim como as regiões Centro e Oeste, também estão nesta onda JequitinhonhaLesteLeste do SulNordeste,  Vale do AçoSudesteCentro-Sul.

Os serviços que são permitidos, são:

– Supermercados, padarias, lanchonetes, lojas de conveniência;
– Bares e restaurantes (somente para delivery ou retirada no balcão);
– Açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros;
– Serviços de ambulantes de alimentação;
– Farmácias, drogarias, lojas de cosméticos, lavanderias, pet shop;
– Bancos, casas lotéricas, cooperativas de crédito;
– Vigilância e segurança privada;
– Serviços de reparo e manutenção;
– Lojas de informática e aparelhos de comunicação;
– Hotéis, motéis, campings, alojamentos e pensões;
– Construção civil e obras de infraestrutura;
– Comércio de veículos, peças e acessórios automotores.

Estado de calamidade

Em decorrência do crescimento de casos de contaminação pela Covid-19 no estado, nesta terça-feira (29) o govenador Romeu Zema assinou decreto que prorroga por seis meses o Estado de Calamidade Pública, devendo durar até 30 de junho do próximo ano.

As mudanças definidas pelo Comitê Extraordinário Covid-19 são válidas por uma semana e visam manter o equilíbrio do cenário pandêmico de acordo com a avaliação e análise da doença no Estado.

Também nesta quarta-feira, o Comitê autorizou o avanço da região Sul para a onda amarela do plano, mesma situação das regiões Norte,  Noroeste e Triângulo do Norte. Já a região Triângulo Sul permanece na onda verde. 

 

Comentários
COMPATILHAR: