O número de pessoas tomando remédios cruciais no combate à aids em 2009 aumentou em 1,2 milhão, totalizando 5,2 milhões de pacientes recebendo de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (19) pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Segundo o órgão com base na cidade de Genebra, na Suíça, a distribuição e administração de antirretrovirais cresceram 12 vezes entre 2003 e 2010.
Nós estamos muito entusiasmados por esse resultado, é o maior crescimento que vimos em um único ano, afirma Gottfried Hirnschall, diretor do departamento de HIV/Aids da OMS.
Os novos dados foram apresentados na 18ª conferência internacional sobre a aids, realizada em Viena, capital austríaca.
Entre os presentes, o ex-presidente norte-americano Bill Clinton destacou o aumento no acesso a remédios, porém lembrou que o número representa apenas um terço das pessoas que precisam de tratamento imediato.
Nós não podemos acabar com a epidemia sem investimentos maiores e mudanças reais no modo que gastamos este dinheiro, disse Clinton.
A organização Médicos Sem Fronteiras também celebrou a alta no acesso de pacientes aos medicamentos, mas também alertaram para o problema da falta de fundos para pesquisas futuras.
A maior preocupação agora está no fato de que este movimento de ascensão pode ser impedido. Nós não podemos retroceder agora, disse Tido von Schoen-Angerer, líder da campanha para garantir acesso a remédios essenciais e integrante do grupo.
Dados completos sobre a situação mundial da aids serão divulgados em um estudo completo da OMS em setembro.

Comentários