Nesta época de feriado é comum viagens para o litoral ou locais próximos a rios e cachoeiras. A equipe médica do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), da Rede Fhemig, e o Corpo de Bombeiros alertam para a necessidade de prudência e responsabilidade ao escolher o lugar de destino e como se divertir.
Dados do Corpo de Bombeiros revelam que o número de mortes por afogamento tem aumentado em todo o Estado. De janeiro até março foram registrados 152 casos, sendo 40 somente no carnaval. No mesmo período de 2009 foram registradas 130 mortes. É essencial que se escolha lugares conhecidos e movimentados para se refrescar. As crianças devem sempre ter a presença constante de um adulto responsável e o uso de bebidas alcoólicas em excesso tem que ser evitado.
?A maioria dos casos de afogamento estão associados ao álcool. A pessoa que ingere a bebida se sente mais relaxada, diminui o grau de alerta e perde o reflexo, o que contribui para o afogamento?, explica o cabo do Corpo de Bombeiros, Thiago Miranda. Ele ressalta a importância de se divertir com segurança e faz também um alerta para evitar saltos e mergulhos em águas rasas.
Mergulho em águas rasas
O fisioterapeuta do Hospital João XXIII, Francisco César Guerra, especialista em fisioterapia respiratória, explica que mergulhos em águas rasas e os saltos ornamentais, apresentam risco de traumatismos crânio-encefálico (TCE) e raquimedular (TRM), que podem levar a uma paraplegia (paralisia das pernas) ou tetraplegia (paralisia dos braços e pernas) ou, ainda, problemas neurológicos.
?Estes traumas condicionam a pessoa a um longo período de tratamento multiprofissional o que gera um custo social muito alto. Além disso, na maioria das vezes, o paciente fica com sequelas graves ou precisa de um longo período de reabilitação fora do hospital. O ideal é a prevenção e a precaução para se evitar estes acidentes?, enfatiza o especialista.
Cuidados ao socorrer
O Corpo de Bombeiros destaca que o socorro do acidentado é outro aspecto fundamental. O problema pode se agravar devido à manipulação incorreta das vítimas. O correto é aguardar o socorro especializado.
Como em muitos casos a pessoa ainda está na água, é importante que se imobilize dentro do próprio rio ou piscina o acidentado, improvisando uma prancha como uma tala para evitar o deslocamento do pescoço. A tábua deve ser colocada na região entre as costas e a cabeça, que deve ser apoiada nos lados por toalhas ou camisetas dobradas. Uma faixa, que pode ser improvisada com um cinto, por exemplo, deve ser passada na região da testa e da cintura da vítima.
Além disso, não se devem testar os movimentos do acidentado, pois pode aumentar ainda mais a lesão na coluna. Longe do risco de afogamento, é importante acalmar a vítima até que o socorro chegue.
Dicas de prevenção:
– Não mergulhe em locais desconhecidos
– Faça uma varredura do local antes de mergulhar
– É preciso saber a profundidade do local em que se vai nadar
– Entre primeiro no local, sem mergulhar
– Evite brincar de empurrar amigos para dentro de lagos, poços, cachoeira ou mesmo do mar
– Não consuma álcool ou drogas
Operações do Corpo de Bombeiros:
Operação Veranico – Cobertura de lagoas e balneários mais visitados nesta época.
Operação água segura – com 36 salva vidas, na região da Várzea das Flores. Acontece desta quinta-feira (1º) a domingo (4).
Prevenção de acidentes nas estradas – Conta com três mil profissionais em todo o Estado que ficarão nas principais BRs onde o registro de acidentes é maior.

Comentários
COMPATILHAR: