Convocados pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), professores municipais e estaduais de 1.051 escolas estaduais de Minas Gerais deriram a uma paralisação completa na última quarta-feira, em protesto contra a reforma da Previdência, que prevê alterações nas regras de aposentadoria do brasileiro, segundo informações da Secretaria de Estado de Educação (SEE).

Em Formiga todas as escolas estaduais aderiram a greve, já a paralisação na rede municipal será decidido na terça-feira (21) em reunião com o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Formiga (Sintramfor).

No caso dos trabalhadores da educação da rede estadual, as reivindicações vão além da reforma da Previdência. Segundo o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUTE-MG), os acordos feitos pelo governo de Minas Gerais com a categoria não foram cumpridos. Dentre eles estão reivindicações como o reajuste do piso salarial e o descongelamento da carreira dos profissionais.

Sobre o piso salarial, o governo do Estado admitiu não ter atingido a regulamentação referente ao novo reajuste, de 7,64%, feito pelo Ministério da Educação (MEC) em janeiro deste ano, mas garantiu estar avaliando uma forma de implantá-lo.

O secretário de Estado de Governo, Odair José da Cunha, afirmou que nenhum acordo foi descumprido por parte do Estado. “Todos os nossos pontos tratados com a categoria estão sendo mantidos. Mesmo em um quadro econômico adverso, estamos priorizando investimentos na Educação”, afirmou.

Salas vazias

No Estado, 368 escolas estão completamente paralisadas e 683 parcialmente paradas, com 535.274 alunos afetados. Na capital, 7% das escolas estão completamente paralisadas.

REIVINDICAÇÕES
* Professores estaduais
– Não aprovação da Reforma da Previdência
– Reajuste do piso salarial:
em janeiro, o Ministério da Educação corrigiu em 7,64% o piso nacional
– Descongelamento da carreira dos profissionais
– Realização de novos concursos

* Professores municipais
– A não aprovação da Reforma da Previdência

 

Fonte: O Tempo ||

Comentários