Com a disparada da temperatura em Belo Horizonte, tendo atingido novo recorde aos 38,4° C na última quarta-feira, consumidores já começam uma verdadeira corrida às lojas da capital em busca de produtos para aliviar o “calorão”. A procura tem sido intensa por ventiladores, umidificadores, climatizadores, aparelhos de ar-condicionado e até mesmo por piscinas de plástico. Em alguns estabelecimentos, já começa até a faltar produtos. 

Mas é necessária muita atenção antes de fechar as compras. Alguns produtos chegam a ter variação de preço superior a 99%, como é o caso de um ventilador de mesa Mallory TS Olimpo 40 cm, 6 pás e 3 velocidades, que é vendido no mercado de R$ 129 a R$ 257,79. Um ar-condicionado Split Eletrolux 9000 BTUs Frio VI09F/VE09F é encontrado com preços de R$ 1.438 a R$ 1.830, uma diferença de quase R$ 400 (27,2%). Já uma piscina de armação, com 2 mil litros, retangular – MOR 1004, varia de R$ 306,34 a R$ 545,90.

“Ventilador é chegar e acabar rapidinho. A demanda está sendo muito grande. Somos 12 vendedores e cada um vende em média de 12 a 15 ventiladores por dia”, conta uma vendedora de uma loja de eletrodomésticos no Minas Shopping, que não quis se identificar. Segundo ela, o climatizador também já estava em falta.

Depois de “bater muita perna” pesquisando os melhores preços, Flávia Helena Martins, que estava acompanhada da sobrinha Charlene Luiza, conseguiu economizar R$ 110 ao adquirir um ventilador por R$ 199, uma redução de 35%. 

Ela chegou a encontrar o mesmo produto com preços que variavam de R$ 239 a R$ 309 em lojas do Centro da capital. “Economizei o dinheiro do suco e do refrigerante. Nessa crise que estamos vivendo, tem que pesquisar mesmo. Fiquei horrorizada com a diferença de preço no mercado”, conta Flávia, lembrando que a corrida pela compra de ventiladores estava intensa ontem nas lojas no Centro de BH.

O coordenador do site Mercado Mineiro, Feliciano Abreu, afirma que o consumidor deve sempre usar a internet como aliada na pesquisa para encontrar os melhores preços no mercado. “Ele tem que ficar atento também ao prazo de entrega, porque às vezes compra agora, mas a loja só vai entregar o produto daqui a 30 dias. Muitos estabelecimentos têm a opção de comprar pela internet e retirar na loja. Esta é a melhor alternativa”, afirma. 

O coordenador do Procon da Assembleia Legislativa de Minas, Marcelo Barbosa, afirma também que o consumidor tem que fazer uma ampla pesquisa de preços antes de efetuar a compra. Segundo ele, nas buscas pela internet, os interessados em adquirir qualquer produto para amenizar o calor devem estar atentos a ofertas com preços excessivamente baixos e se a empresa só oferece como forma de pagamento boleto bancário ou depósito em dinheiro. Segundo ele, é sempre bom dar preferência aos pagamentos com cartão de crédito. 

“Compre sempre de empresas tradicionais, regulares no mercado. Nunca faça a compra por meio de links que recebeu. Se o valor do produto estiver muito abaixo da média de preço do mercado, desconfie”, alerta o coordenador do Procon. 

Fonte: Hoje em Dia

Comentários