O Ministro de Meio Ambiente, Carlos Minc, lançou na praça pública que circunda o Museu da República, na manhã de quarta-feira, dia 16, grande campanha educativa esclarecendo à população, de forma bem didática, tudo sobre ozônio, seus males e formas de se minorar os problemas que contribuem para o aquecimento global, tudo em consonância com exigido pelo protocolo de Montreal.
Foram distribuídos à população, cartilhas e Cd?s contendo informações e um desenho animado, este estrelado pelo Ozzy Ozônio.
A cidade de Formiga lá esteve, representada pelo jornalista Paulo Coelho.
Durante o evento, foram distribuídas cartilhas sobre a camada de ozônio e seus impactos na saúde humana, folders explicativos sobre a proteção da camada e a mudança de atitude esperada da população, além de um DVD com desenho animado para ser exibido em escolas e creches.
O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, participou da ação e reforçou a importância da proteção da camada de ozônio, bem como de uma mudança de comportamento por parte dos cidadãos. A ação pública foi direcionada a professores e crianças de escolas públicas do Distrito Federal, Espírito Santo e Bahia, turistas e transeuntes. Com a educação ambiental, os filhos passam a contribuir para a informação dos pais, afirmou Minc.
Ele reforçou que é muito importante relembrar a população sobre os riscos da exposição ao sol entre 10h e 16h, e que todos devem estar sempre protegidos, inclusive as pessoas de pele negra.
O ministro Minc disse que também foi promovido um treinamento para mecânicos, em parceria com o Senai e o Senac. A instrução é que quando um mecânico for consertar uma geladeira que contenha CFC, ele deve capturar o gás, fazer o conserto e injetá-lo novamente no equipamento, sem permitir que a substância vaze.
O oncologista Reynaldo José Santana, coordenador do Hospital do Câncer de Franca (SP), também participou da ação. Ele explicou que a camada de ozônio é o escudo da Terra e, sem essa proteção, não seria possível a vida das espécies que hoje habitam o Planeta, pois ela filtra e absorve parte da radiação ultravioleta que o sol emite.
A diminuição da camada aumenta o índice de raios. Com isso, aumentam as doenças relacionadas, como o câncer de pele, catarata, feridas na pele, herpes, dentre outras. No Brasil, o câncer de pele corresponde a 25% dos casos da doença e é o principal tipo, sendo que o segundo e terceiro tipos somados não alcançam esse número. É altamente prevenível, mas é necessária a mudança de comportamento das pessoas, alerta o médico.
Todas as estatísticas de estimativa do Instituto do Câncer (INCA), a partir de 2004, colocam o câncer de pele como o mais recorrente no País. Dados do instituto apontam cerca de 116 mil casos por ano. Entre os motivos, de 50% a 70% são resultantes da exposição excessiva aos raios ultravioleta, e as câmaras de bronzeamento também são consideradas fatores de desencadeamento da doença.
Para o oncologista, a melhor estratégia é orientar as crianças a adotarem as formas de prevenção. O filtro solar deve ser aplicado meia hora antes de se expor ao sol e reaplicado a cada duas horas. Além disso, nas atividades físicas que envolvem água, o produto deve ser reaplicado instantaneamente. O uso de chapéu e óculos de sol também é recomendado. As pessoas podem conferir o índice de radiação ultravioleta, que pode ser acessado no site do Inpe diariamente, informa o oncologista.

Comentários
COMPATILHAR: