Da Redação

Problemas relacionados ao abastecimento de água em residências localizadas no bairro Coronel Balbino Ribeiro, localizado próximo ao Cidade Nova, em Formiga, se arrastam há anos. Mais recentemente, há pelo menos um mês, moradores da localidade sofrem com a falta d’água nos finais de semana. O problema que, normalmente ocorre de sexta a domingo, desta vez está se estendendo até esta terça-feira (1º).

Com as temperaturas subindo na última semana, há quem esteja há cinco dias sem uma gota d’água na caixa e já não sabe o que fazer.

Alguns moradores compraram reservatórios extras para que os mesmos sejam abastecidos tão logo um pouco de água chegue até a residência. “A água já chega sem pressão, se ainda tivermos que esperar que ela supere a gravidade para encher nossas caixas, ficaremos sempre desabastecidos”, explica moradora que registrou por fotos a quantidade de água disponível na casa dela nesta terça.

– Foto: Divulgação

Para piorar a situação, a água prometida pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) aos reclamantes, enviada por meio de caminhões pipa, simplesmente não chega para alguns, como contou uma moradora que aguardou durante toda a segunda-feira pelo abastecimento.

“Estamos comprando água para beber, tomando banho na casa de parentes e vendo se acumular as roupas para lavar, louças e a limpeza da casa. Como vamos manter nossas casas sujas em plena pandemia?”, questiona uma moradora indignada.

Entre os moradores são comuns os relatos de quem acorda pela madrugada para aproveitar o pouco de água que cai para, pelo menos, garantir que as refeições serão feitas.

Nessa segunda-feira (31), questionado sobre o grave problema de abastecimento no Balbino Ribeiro, o Saae enviou a seguinte informação ao jornal: “No bairro Balbino Ribeiro tem sido registrado um alto consumo de água, principalmente nos fins de semana, devido ao calor. O lençol freático que abastece postos artesianos da região, se encontra baixo, devido a época de estiagem. A medida adotada pelo SAAE tem sido o uso de caminhões pipa para abastecer as caixas d´água”.

Os moradores entrevistados pelo portal discordam sobre o aumento do consumo devido ao calor, principalmente após um inverno bastante rigoroso que foi atenuado apenas na semana passada. “Com relação aos poços artesianos estarem em baixa com a estiagem pode ser que sim, mas o fato é que continuamos recebendo a conta religiosamente, mesmo sem abastecimento e quando ligamos no Saae, a cada dia nos dão uma informação diferente. Dessa vez disseram que a bomba que joga a água dos poços para as casas estava quebrada e para o jornal disseram que é estiagem e alto consumo. A gente já está prejudicado e ainda sofre com essa falta de respeito”, comentou uma dona de casa do bairro.

Os moradores aguardam que o problema seja solucionado para que voltem a aproveitar os finais de semana. “Trabalhamos a semana toda e quando queremos colocar a casa em ordem e descansar não temos água pra nada”, reclamou outra moradora.

Comentários