A norte-americana Danielle Tarantola pagou US$ 50 mil na tentativa de clonar um cão de estimação falecido. Moradora em Staten Island, parte da cidade de Nova York, a mulher precisou procurar laboratório de clonagem na Coreia do Sul para fazer o serviço.
Na segunda-feira (9), ela compareceu ao programa do apresentador norte-americano Anderson Cooper e explicou sua paixão pelo cão Trouble (problema, em tradução para o português), que viveu com ela durante 18 anos.
Morto há 3 anos, o animal ainda é lembrado na casa de Danielle, que mantém em sua casa um quadro e um lençol com a cara de Trouble estampada. A norte-americana guarda até o último pedaço de osso que seu animal de estimação roeu.
Ela participou de um programa de TV chamado I Cloned My Pet, sobre donos que perderam seus animais de estimação e procuraram serviços de clonagem.
O programa foi um dos argumentos usados por Danielle para baratear o custo da clonagem junto aos coreanos, que pediam US$ 100 mil pelo trabalho. A Coreia do Sul é o único país conhecido que realiza clonagens comerciais em cães.
O resultado foi o nascimento de Double Trouble, um filhote idêntico ao cãozinho morto e que foi gerado com sucesso na barriga da uma cadela adulta. Para obter o clone, Danielle enviou material coletado de Trouble enquanto ele ainda estava vivo e o enviou para os laboratórios asiáticos.

Comentários