Edson Arantes do Nascimento tornou-se o Rei do Futebol apesar da cor de sua pele: tornou-se, assim, o primeiro herói negro brasileiro de alcance global, inspirando e incentivando pelo exemplo milhões de outras pessoas. Pelé, porém, sempre evitou falar sobre racismo, e é cobrado por isso até hoje. Como poderíamos compreender melhor as atitudes do Rei Pelé ao longo do século XX no Brasil? Você sabe, afinal, o que é racismo e porque esse tema está cada vez mais debatido no nosso dia a dia? O que tudo isso pode nos dizer sobre o Brasil de ontem e hoje? Para debater o assunto com profundidade, o Museu do Futebol, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, realiza em novembro um curso gratuito sobre Racismo e Esporte.

As aulas acontecerão online pelo YouTube do Museu do Futebol, com emissão de certificado para quem realizar inscrição prévia e assistir os encontros ao vivo. Os encontros são sempre às terças-feiras, nos dias 3, 10 e 17 de novembro, das 10h às 12h, tendo como professores o historiador Amailton Magno Azevedo, professor de Pós-Gradução em História da PUC-SP; a professora de pós-graduação em Letras da UNIFESP Ligia Fonseca Ferreira; e José Paulo Florenzano, professor de Antropologia Social na PUC-SP. No dia 24/11 haverá uma aula-bônus com a participação de atletas negros debatendo como o racismo influenciou suas trajetórias.

O curso faz parte das comemorações pelo Dia da Consciência Negra (20 de novembro) e também é parte da programação cultural associada à exposição Pelé 80 – O Rei do Futebol, em cartaz desde o dia 15 de outubro. A mostra tem o patrocínio do Itaú Unibanco, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O curso visa apresentar, nas duas primeiras um panorama sobre o racismo no Brasil: como ele se constitui enquanto estrutura que fundou nossa sociedade, desde o período colonial, do ponto de vista jurídico, comportamental, cultural e simbólico. A última aula trará foco nos esportes: como manifestações de nossa sociedade a prática esportiva não está imune ao racismo, ainda que tenhamos nos acostumados a ver negros bem sucedidos nesse campo. Pelé, pelo simbolismo que representa mundialmente, é um dos casos bons para pensar o quanto o futebol no Brasil – que durante décadas acomodou o discurso da “democracia racial” – é um espelho da estrutura racista que impera no país.

PROGRAMAÇÃO

Aulas sempre das 10h às 12h em

www.youtube.com/museudofutebospaulo

Dia 03/11 – Racismo: o mal estar civilizatório do nosso tempo

Com Amailton Magno Azevedo – Prof. Dr. do Programa de Estudos Pós Graduados em História e do Departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). 

Seria o racismo o mal estar civilizatório do nosso tempo? Seria o racismo brasileiro semelhante ou diferente do norte americano? Quais seus antecedentes históricos? Haveria formas de superação do racismo? Pretende-se com essas questões abordar o racismo anti-negro no Brasil e seus desdobramentos no futebol.

Dia 10/11 – Aula com Ligia Fonseca Ferreira 

Profa. Dra. do curso de graduação e pós-graduação em Letras da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Conselheira do IDBrasil, organização social de cultura gestora do Museu do Futebol e Museu da Língua Portuguesa.

Dia 17/11 – Aula com José Paulo Florenzano

Prof. Dr. de Antropologia Social na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Dia 24/11 – Dialogando sobre(vivências) de atletas negros

Atletas negros e negras discutem como o racismo afetou suas trajetórias no esporte, e como esta prática prejudicou ao longo dos anos o acesso a instancias de poder, tolheu comportamentos e trouxe consequências aos que se posicionaram neste cenário.

INSCRIÇÕES
São gratuitas e obrigatórias para quem desejar receber certificado de participação. As inscrições para a Aula 1 já estão abertas e podem ser feitas por meio deste link: https://is.gd/racismoaula1.

EXPOSIÇÃO
Com curadoria de Gringo Cardia, a exposição Pelé 80 – o Rei do Futebol faz uma homenagem aos 80 anos do maior jogador de todos os tempos, completados no último dia 23 de outubro. Com visual pop e muitos recursos interativos acionáveis pelo celular do visitante, a mostra tem como conceito apresenta Pelé pra as novas gerações.

COVID-19
O Museu do Futebol está totalmente adaptado para funcionar com segurança enquanto durar a pandemia de coronavírus. A capacidade do Museu foi reduzida e o acesso será feito exclusivamente mediante aquisição antecipada de ingresso com hora marcada, mesmo por quem tem direito a gratuidade. Será obrigatório o uso de máscara e há totens de álcool gel em vários pontos do percurso. Os equipamentos interativos foram adaptados para funcionar com comandos a partir do celular dos visitantes, evitando toque em botões e telas. Para saber mais, acesse: http://museudofutebol.org.br/covid-19/

PARCEIROS 
Além do patrocínio do Itaú Unibanco, são parceiros da exposição Pelé 80 – O Rei do Futebol: Pelé Foundation, Getty Images, Estadão Conteúdo, Agência O Globo, Prefeitura de Santos, Museu Pelé, Santos Futebol Clube e a concessionária Allegra Pacaembu. 

Além destes, o Museu do Futebol tem como parceiros de responsabilidade social Lojas Torra, EMS Farmacêutica, Banco Safra, Pinheiro Neto Advogados, Verde Asset, Grupo Luminae Energia e Andra Materiais Elétricos. São parceiros de mídia Rádio CBN, Revista Piauí, UOL, Revista Cult, Dinamize e Guia da Semana.

O Museu do Futebol conta com as Lei Federais de Incentivo ao Esporte e à Cultura, ProAC/ICMS e PRO-MAC.

SERVIÇO

Pelé 80 – O Rei do Futebol
A partir de 15 de outubro de 2020
Ingressos: https://bileto.sympla.com.br/event/10038/
Estádio do Pacaembu – Praça Charles Miller, s/n, São Paulo
De quinta a domingo, das 12h às 19h
Acesso exclusivamente mediante compra antecipada de ingresso com horário marcado, pelo Sympla – mais informações em www.museudofutebol.org.br.
Ingressos: R$ 20,00 Inteira | R$ 10,00 Meia

Fonte: Museu do Futebol – Comunicação

Comentários
COMPATILHAR: