Atividades não essenciais, como de bares, restaurantes e salões de beleza de cerca de 300 cidades mineiras poderão ser retomadas a partir de 6 de agosto. Os municípios, segundo explicou o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Fernando Passalio, nesta quinta-feira (30), cumprem os critérios estabelecidos pelo novo Minas Consciente para seguirem a Onda Amarela do plano.


Os detalhes atualizados do plano de retomada gradual da economia foram apresentados nessa quarta-feira (29) e preveem que municípios com menos de 30 mil habitantes e que tenham registrado menos de 50 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias poderão reabrir algumas atividades consideradas não essenciais. Esse critério, segundo Passalio, é cumprido por cerca de 300 cidades no Estado.


A Onda Amarela, segunda fase do novo plano, contempla as atividades que antes estavam distribuídas pelas Ondas Branca, Amarela e Vermelha, como autoescolas, papelarias, lojas de roupa e lojas de departamento, lojas de joias e bijuterias, informática, design e decoração.


O novo plano de retomada, que começa a valer em 6 de agosto para todo o Estado, foi baseado em uma consulta pública que recebeu mais de 600 sugestões da sociedade civil. Entre as mudanças, estão a elaboração de planos personalizados também por microrregional. No plano anterior, eram consideradas 14 macrorregiões; agora, são 62 microrregiões com critérios específicos.


A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) vai deixar a cargo dos prefeitos a escolha do plano de referência, por micro ou macrorregião, desde que a cidade cumpra os critérios estabelecidos para o avanço nas ondas.


Atualmente, 316 municípios aderiram formalmente ao Minas Consciente. Nem todos os 300 contados pelo secretário adjunto como aptos a avançarem na flexibilização estão inseridos no plano, mas, por determinação judicial, somente os protocolos do Minas Consciente poderão ser usados em caso de reaberturas.

Fonte: O Tempo Online

Comentários
COMPATILHAR: