A Polícia Civil está investigando a morte de um adolescente de 15 anos, após uma explosão em uma fábrica de fogos de artifício, no Bairro Dom Bosco, em Santo Antônio do Monte. A informação foi confirmada por meio de nota enviada ao G1 neste sábado (12), pela assessoria de comunicação da Polícia Civil. O Exército se posicionou sobre o caso, veja nota abaixo.

Conforme a Polícia Civil, o inquérito foi instaurado no dia em que ocorreu a explosão, na última quinta-feira (10). O adolescente não era funcionário da fábrica, segundo a Polícia Militar (PM).

A PM e o Sindicato dos Trabalhadores das Fabricas de Fogos de Artificio (Sindifogos), disseram que a vítima possivelmente estava próxima a um local de descarte de resíduos de artefatos explosivos quando a área explodiu.

Posicionamento do Exército
Veja posicionamento na íntegra enviado pela Comunicação Social do Comando Militar do Leste (CML), para a produção da TV Integração nesta sexta-feira (11).

“Sobre a explosão na Indústria e Comércio Sousa Brasil LTDA, em 10 de dezembro, o local foi periciado pela equipe do SFPC, que por questões de segurança, interditou o espaço de queima de resíduos da empresa para reconstrução dos protocolos de segurança que foram violados com a explosão.

A vala de queima de resíduos politécnicos é um procedimento padrão e estava dentro das normas previstas. No que tange às atividades da fábrica, ela está regularizada com o Certificado de Registro ativo e válido. O Comando Militar do Leste está colaborando com as investigações, mas orienta que as questões da dinâmica do acidente estão sob responsabilidade dos Órgãos de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais.”

Explosão
A equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) informou que o adolescente foi encontrado com rebaixamento do nível de consciência, fraturas graves, membros inferiores amputados e com queimaduras em todo o corpo.

Após ser atendido pela equipe, ele foi encaminhado para a Santa Casa de Santo Antônio do Monte, porém não resistiu aos ferimentos e morreu ao dar entrada na Sala Vermelha da unidade.

A PM informou que o adolescente não era funcionário da fábrica. Ele acessou a área sem autorização da empresa e estava em um local onde é proibida a entrada de qualquer pessoa. Também conforme a polícia, o adolescente era conhecido no meio policial por ser usuário de drogas.

O Sindifogos disse ao portal G1 que a explosão ocorreu devido a um resto de cigarro lançado sobre os descartes pelo adolescente.

Matéria do G1

Comentários
COMPATILHAR: