A Polícia Civil desencadeia, na manhã desta sexta-feira (31), uma grande operação de combate ao tráfico de drogas e homicídios na Vila Cemig, na região do Barreiro, incluindo cidades próximas da região metropolitana de Belo Horizonte.

A guerra local pelo comércio ilegal envolvia a morte de familiares de líderes de gangues como vingança. As investigações iniciaram após a morte de um agente penitenciário envolvido no tráfico. Um balanço das prisões será divulgado ainda nesta sexta.

De acordo com a corporação, 300 policiais estão nas ruas do bairro para cumprir 53 mandados de busca e apreensão, 32 de prisão – sendo que 24 são por tráfico e oito por associação ao tráfico de drogas. Um helicóptero da corporação dá apoio às equipes de terra. Cães farejadores também estão empenhados.

Vingança 

Virgínia Almeida, delegada titular da 2ª Delegacia do Barreiro, explicou que a operação ‘Revenge’ (vingança, em tradução livre do inglês) é fruto de mais de um ano de investigação sobre quadrilhas criminosas especializadas em tráfico de drogas, com porte de armas de fogo e atuação no aglomerado da Vila Cemig.

“Foram identificadas facções rivais que se instalaram na localidade visando a tomada de poder do comércio ilegal de entorpecentes. Como resultado, houve a morte de diversas pessoas”, afirmou. A Polícia Civil identificou os principais líderes de cada guangue e descobriu que a vingança era a principal engrenagem do confronto.

Desde 2010, os grupos criminosos do local têm se confrontado, incluindo atentados, planejamento de ataques e mortes a familiares dos líderes.

Início das investigações

O assassinato de um agente penitenciário em março deste ano teria sido o gatilho para o início das investigações que culminaram na ação de hoje.

O servidor público que trabalhava numa unidade carcerária da Grande BH, segundo as investigações, estaria envolvido com mortes e o tráfico de drogas na Vila Cemig.

 

Fonte: Hoje em Dia||

Comentários
COMPATILHAR: