O prefeito da cidade de Alto Rio Doce, na Zona da Mata, Victor de Paiva Lopes (MDB), de 36 anos, foi acusado pela ex-esposa, de 31, de agredi-la e ameaçá-la de morte.

A violência física também ocorreu contra a mãe da vítima e a filha menor de idade do casal, que – conforme o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM) – levou um soco do próprio pai no rosto.

Após as agressões, que ocorreram no sábado (4), o chefe do Executivo do município fugiu e, até na noite dessa segunda, não havia sido localizado. A Polícia Civil de Minas Gerais informou, na tarde desta segunda-feira, que foi solicitada ao Poder Judiciário uma medida protetiva para a vítima.

Em relato à PM, a ex-mulher do prefeito disse que Victor deveria ficar com os filhos do casal nesse sábado. No entanto, ele teria ficado embriagado durante a “Festa do Galo”, que acontecia em comemoração ao título do Atlético no Campeonato Brasileiro. Por essa razão, o prefeito não estaria em condições de ficar com as crianças naquele dia.

Portanto, ela decidiu ir até a casa da mãe do ex-marido para buscar os filhos. Ainda de acordo com a PM, ao tomar conhecimento disso, o prefeito foi até a residência da ex-companheira e, bastante alterado, quebrou o portão da residência com a sua caminhonete, arrombou a porta da cozinha, danificou vários objetos dentro do imóvel e iniciou as agressões físicas e ameaças de morte contra a mãe dos filhos dele.

Conforme o registro policial, o prefeito disse que iria descarregar a arma na ex-mulher e nas crianças. A vítima contou, ainda, que o chefe do Executivo já a ameaçou de morte em outra situação, quando ele apontou uma arma em sua direção.

Ainda segundo a PM, a mãe da ex-mulher do prefeito, de 63 anos, tentou intervir, mas Victor segurou a idosa pelo pescoço. Uma menina, filha do casal e que não teve a idade divulgada, também foi agredida pelo próprio pai com um soco no rosto. A violência só cessou quando um irmão da mulher e um tio de Victor interviram na briga.

Posteriormente, segundo a PM, o prefeito de Alto Rio Doce percebeu a chegada da viatura e fugiu em sua caminhonete.

“Com a nossa chegada, juntamente com a equipe de apoio do Tático Móvel, percebemos que o portão estava danificado e teria um veículo saindo da residência. Logo que o veículo passou pelas viaturas, ele saiu em alta velocidade em sentido ao Centro do município”, destaca a PM.

As vítimas dispensaram atendimento médico sob alegação de que não apresentavam lesões.

Um irmão da vítima se identificou como policial após chegar ao local e se ofereceu para levar a mulher, a mãe dela e a sobrinha para seu apartamento – local que, segundo ele, seria “mais seguro”.

Fonte: Estado de Minas

Comentários