O concurso da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE-MG) para profissionais do setor, com quase 17 mil vagas disponibilizadas, realizado em várias cidades do estado nesse domingo (8) teve atraso superior a 1 hora e gerou revolta nos participantes.

“Provas começando em horários diferentes, candidatos com celular, provas faltando, provas xerocadas, envelopes que chegaram nas salas abertos”, disse uma pessoa que preferiu não se identificar.

A Fundação Mariana Resende Costa (Fumarc), empresa contratada para realizar o concurso, disse, em nota, que o concurso enfrentou um problema de logística, o que causou o prolongamento do horário de início das provas em 60 minutos.

Segundo a empresa, o material de que seria destinado a quatro escolas de Belo Horizonte, foi embarcado em um veículo da Fumarc com uma rota de distribuição errônea.

O início do concurso, em todas as regiões, ocorreu quando as quatro escolas receberam o material de apoio para garantir aos candidatos as mesmas condições na realização das provas, explicou a Fumarc.

A SEE-MG também tomou conhecimento de denúncias que circulavam em redes sociais quanto ao uso de celulares em ambiente de provas, além de fotos de supostas provas.

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) solicitará que o Governo do Estado preste explicações e investigue as práticas relatadas acima e que os responsáveis sejam responsabilizados pelos atos criminosos e que as pessoas que fizeram inscrição para o concurso não fiquem prejudicadas.

A Fumarc ainda não se manifestou sobre o assunto.

 

 

 

Fonte: O Tempo ||

Comentários
COMPATILHAR: