O prédio em que a psicóloga Kassiane Rodrigues Maia trabalhava tem 120 salas comerciais. Segundo o delegado responsável pela investigação, Leonardo Pio, o casal que estava junto há cerca de três anos terminou o namoro há dois meses.
As imagens do circuito interno de segurança do prédio mostram que a ação foi premeditada. Quando Kassiane Rodrigues Maia voltou do horário de almoço, o ex-namorado estava escondido no 13º andar, próximo ao consultório da vítima. Ela foi atacada ao sair do elevador.
Toda a ação durou pouco mais de três minutos. A psicóloga não tinha secretária. Pessoas que ouviram os pedidos de socorro chamaram a polícia que estava em frente, no Fórum, que fica do outro lado da rua. Quando o acusado saiu do prédio recebeu ordem de prisão, mas ainda assim tentou fugir.
Ainda de acordo com o delegado, o ex-namorado da vítima, que é cinegrafista, tem passagem pela polícia por uso de droga. O suspeito foi levado para a delegacia para prestar depoimento.
As informações de pessoas próximas à vítima são de que o acusado queria reatar o namoro e teria dado um prazo até esta terça-feira para Kassiane voltar com ele. Amigos e parentes dela contam que ele já a ameaçava e que a psicóloga havia comentado neste domingo (8) que estava com medo do ex fazer alguma besteira, pois ele havia ameaçado suicídio. Mas teria mudado de ideia e agora é acusado de assassinar a jovem.

Comentários