Com o iminente fechamento da UTI Neonatal da Santa Casa de Caridade de Formiga, o prefeito Eugênio Vilela participará de uma reunião com o governador de Minas, Fernando Pimentel, na próxima quarta-feira (13), às 16h. O encontro foi agendado por intermédio do deputado estadual Fábio Avelar.

Durante a audiência, Eugênio, que estará acompanhado de membro da direção do hospital, solicitará ao governador o pagamento dos convênios em atraso do Estado: Rede Resposta, Pró-Hosp e Rede Cegonha.

Na manhã desta sexta-feira (8), o prefeito se reuniu com o tesoureiro do hospital, Carlos Eduardo Senne, e tratou do assunto. Eugênio explicou ao médico que foi pego de surpresa com o possível fechamento da UTI Neonatal, já que o problema foi primeiro levado à imprensa para depois ser comunicado à administração municipal. “Se eu tivesse sido informado antes, já estaríamos tomando medidas há mais tempo e talvez a situação não fosse tão preocupante”, ponderou o prefeito.

Por fim, Eugênio garantiu ao tesoureiro que não medirá esforços para ajudar a Santa Casa a manter seus serviços.

Carlos Eduardo fez questão de destacar que a Prefeitura é isenta de qualquer culpa relativa à situação da UTI Neonatal e que conta com a parceria da administração municipal na busca de uma solução para o problema.

Convênio em dia

A Prefeitura possui dois convênios para repasse mensal de recursos à Santa Casa, sendo um no valor de R$108.900, para a manutenção do serviço de clínicas médicas, e outro de R$30 mil, para o serviço de raio-x. Os dois convênios são pagos religiosamente em dia, mediante prestação de contas por parte da Santa Casa de Caridade.

A atual gestão também está efetuando o pagamento de dívidas deixadas pela administração passada. Município e hospital já fecharam dois acordos para pagamento dos débitos. Um, no valor de R$300 mil, é referente a alugueis atrasados da antiga sede do Pronto Atendimento Municipal (PAM). O valor devido foi dividido em dez prestações de R$30 mil. Já foram pagas cinco parcelas, todas em dia.

O segundo acordo foi para o pagamento do serviço de raio-x. O débito de R$101.280,18 também foi dividido em dez parcelas, sendo que o município já quitou três, todas na data correta.

Compromisso com a saúde

A atual administração municipal reitera seu responsável compromisso com a saúde pública. Fato que comprova isso é a Prefeitura aplicar R$11.859.557,47 em manutenção e desenvolvimento das ações com a saúde em Formiga, valor que corresponde a 24,27% da receita municipal. Cabe ressaltar que a Emenda Constitucional 29 recomenda aplicação mínima de 15%. Ou seja, a Prefeitura investe R$4.531.114,67 a mais que a recomendação feita pela União.

Débitos do Governo Estadual

A administração da Santa Casa não conseguiu negociar com a parte médica da unidade, pois não houve nenhuma novidade quanto aos débitos da parte do Governo Estadual, que está em atraso com o repasse da Rede Cegonha desde o mês de janeiro/2017, totalizando o valor de R$ 175.200, duas parcelas da Rede de Urgência e Emergência, no valor de R$400 mil e a parcela extra a Rede de Urgência e Emergência, ano 2016, de R$800 mil e uma parcela extra do Prohosp, ano referência 2016, de R$ 300.612,76. Este valor seria suficiente para quitar os débitos dos médicos da Unidade, evitando assim o seu fechamento. “O fechamento da Unidade será um retrocesso não só para o hospital, mas, principalmente, para a população de Formiga e região. A nossa Maternidade é porta aberta do SUS e tem salvado muitas vidas com o funcionamento da UTI Neonatal”, comentou o tesoureiro Carlos Eduardo Senne.

Eugênio Vilela e o médico Carlos Eduardo Senne durante reunião nesta sexta (Foto: divulgação/Secom)

 

Fonte: Secom/Formiga e assessoria Santa Casa||

Comentários
COMPATILHAR: