A vacinação dos profissionais de educação contra a Covid-19, que teve início na sexta-feira (21), em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, está gerando polêmica.

O prefeito Christiano Xavier (PSD) postou em seu perfil nas redes sociais que está sendo pressionado por ter priorizado a imunização dos profissionais de educação antes dos detentos da cidade.

A decisão do prefeito foi contra a orientação do Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, que estabelece que os detentos deveriam ser vacinados contra a doença primeiro. A cidade de Santa Luzia possui um presídio e uma APAC, e conta com uma população carcerária de quase 500 pessoas.
 
Christiano Xavier explica porque decidiu não seguir a orientação do Ministério da Saúde. “Eles (presos) estão na frente (nos grupos prioritários) do que os educadores. Mas a gente não entende dessa forma. Tento seguir à risca o Plano Nacional, mas isso ressaltou aos olhos. Achei totalmente injusto. Achei isso inconcebível. Sou eleito pelo povo. Dessa sorte, eu não permiti. Desautorizei a Secretaria de Saúde a vacinar qualquer encarcerado neste momento”, argumentou.
 
O prefeito completou: “Iniciamos a vacinação para os professores e os profissionais de educação. Isso para que a gente possa também retornar as aulas o mais breve possível”.
 
O chefe do Executivo afirmou, ainda, que pretende imunizar outras categorias antes dos detentos da cidade. “Já estou querendo iniciar a vacinação dos motoristas de ônibus. Se eu pudesse escolher, eles seriam os primeiros a serem imunizados. Eles ficam dentro daqueles caixotes, trabalhando. É um transporte lotado e de péssima qualidade”, avalia.

Ele completa: “Tomei a atitude certa. Estou muito satisfeito. A própria população ficou satisfeita. Queremos vacina para todo mundo. Como não tem vacina para todo mundo, vamos priorizar as pessoas que merecem mais. Os encarcerados ficam guardados. Dessa forma, eles não vão pegar nada. Só ficar quietinho, cumprindo a pena. Na hora certa, vamos vacinar todo mundo”.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde explicou que a seleção dos grupos prioritários que constam no Plano Nacional de Imunização foi elaborada de acordo com entidades de saúde de todos os municípios. 

A pasta diz ainda que é importante lembrar que Estados e Municípios têm autonomia para seguir com a campanha de vacinação de acordo com suas peculiaridades.  

Fonte: Rádio Itatiaia

Comentários
COMPATILHAR: