A secretária municipal de Saúde, Luiza Flora de Oliveira, esteve na Câmara Municipal na reunião desta segunda-feira (13). Ela foi acompanhar a fonoaudióloga Raquel Mesquita Guimarães, que falou sobre o Programa de Saúde Auditiva em Formiga. Muitos vereadores acharam que a secretária é quem falaria sobre o assunto.
Na ocasião, foram apresentadas informações sobre o atendimento em parceria da Clínica Otocenter com a Secretaria de Saúde para atender às pessoas com problemas de audição, foi exibido um vídeo sobre os serviços oferecidos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), com um balanço dos atendimentos.
Após as explicações da fonoaudióloga Raquel Mesquita, os edis aproveitaram a oportunidade e começaram a sabatina, fizeram vários questionamentos à secretária, já que a pasta foi a mais criticada pelos vereadores este ano.
Pronto Atendimento Municipal
Na semana passada, alguns vereadores foram até o Pronto Atendimento Municipal (PAM) e fizeram várias fotos da infraestrutura do local, que foram mostradas no plenário, como higiene, infiltrações e improvisações. Luiza Flora foi questionada sobre a contribuição da secretaria para minimizar a situação, pois, segundo os vereadores, as condições apresentadas não são dignas de um atendimento humano.
Mesmo com a construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Luiza Flora disse que o local passa por reformas todo ano. ?99,9% das condições que se encontra o local, das ferrugens, é em condição do material usado, que faz a desinfecção. Lá é um local que não atende só o Sistema Único de saúde (SUS). O local já foi pintado este ano. Outra questão é que o dinheiro é pequeno. Outros serviços como hidráulico, elétrico, piso não estão no nosso orçamento deste ano não, não temos recursos para estes não. Uma coisa que garanto pra vocês é a questão de controle de infecção hospitalar, qualquer problema nesse sentido vou estar vendo e me desdobrando para atender, pois isso é uma preocupação?.
Sobre a urgência e emergência, Luiza Flora contou que a questão foi mais uma vez na precariedade. Ela não foi planejada, não foi estruturada, pois, na saúde, existe outro planejamento, o epidemiológico. A secretária ressaltou que o que foi mostrado nas fotos não foram questões de falta de higiene e sim estruturas com ferrugens, que estão ?caindo?.
Outro assunto foi o credenciamento do tomógrafo. Perguntada se a secretaria não teria uma cota, já que foi empenhado dinheiro público no aparelho, Luiza Flora ressaltou que sim. ?Um dos passos será atender à demanda reprimida sim. Para o município fazer um convênio com qualquer instituição, ela já deve estar habilitada para tal funcionamento. A Santa Casa recebeu essa habilitação em 27 de julho ou agosto. Estamos esperando essa documentação, contou.
A secretária explicou também que a pasta não voltou a fazer endoscopia, colonoscopia e espiriometria porque não houve participantes na licitação. Os candidatos que apresentaram são candidatos proibidos pela lei de licitação.
Outros problemas na Saúde
Durante a sabatina, foi debatida também a prevenção da saúde dos homens em Formiga. Decidimos este ano trabalhar com os homens de nossa secretaria. Temos mais de 150 homens lá e eles sequer tinham um exame de glicose realizado. Trabalhamos com esses homens e com os dos Saae. Para 2011, vamos expandir esse programa para mais um pouco da população. O próximo encontro será dos maridos de nossas funcionárias.
Outros pontos citados foram a grande demanda de cirurgias e de exames, o Pró-Hosp e a disponibilização de leitos e vagas no PAM.
Reginaldo Henrique dos Santos (Dr. ReginaldoPCdoB) contou que havia muitos debates nas reuniões sobre a saúde e que o argumento de alguns profissionais é de que não havia orçamento. Nós aprovamos aqui no ano passado uma emenda de R$ 800 mil, sendo R$ 415 mil para cirurgias eletivas. Conversamos com o prefeito e ficou decidido em repassar para a secretaria algo em torno de R$ 50 mil por mês. E, até agora, não aconteceu nada
A secretária explicou que uma lei aprovada pelos vereadores amarrou o orçamento e o dinheiro. Não ficou explícito isso, ficou explícito que os R$ 800 mil seriam para a construção e não poderiam, eu me lembro na íntegra, haver nem suplementação e muito menos anulação. A lei ficou aprovada, mas vocês amarraram, retrucou.
Dr. Reginaldo disse que a verba foi liberada sim. Nós colocamos um termo para que vocês não poderiam mexer no orçamento, veio aqui um pedido e deixamos que vocês tivessem liberdade para mexer no orçamento de até 20% Ele [prefeito] nos prometeu, tem o dinheiro, tem o cirurgião A secretária garantiu que isso não ocorreu.
Sobre a contratação de mais médicos para o Pronto Socorro, Luiza Flora contou que atualmente o local não comporta dois médicos. Lá eles se esbarram um no outro. O que a gente pretende é que, em 2011, principalmente na adaptação da UPA, que tenhamos dois médicos lá. Já marquei uma reunião com o vencedor da licitação e que eu quero, independente, se vai ter espaço ou não, que pelo menos nos horários de picos, tenham dois profissionais trabalhando lá. No PAM, realmente não tem como colocar dois profissionais, é complicado realmente, pois por conta do espaço, explicou a secretaria.
Luiza Flora foi elogiada e parabenizada por alguns vereadores pelo fato de ter comparecido à Câmara, já que o Executivo, segundo alguns vereadores, entrou na Justiça com uma liminar para não comparecer ao Legislativo e responder aos questionamentos dos vereadores.
Os vereadores convidaram a secretária para comparecer na Câmara Municipal no inicio de 2011 para falar mais sobre a saúde em Formiga.

COMPATILHAR: