De acordo com a Secretaria de Estado e Saúde (SES/MG), a síndrome mão-pé-boca (SMPB), doença que causa febre alta e feridas pelo corpo, já fez 107 vítimas no Estado. Seis surtos foram registrados neste ano.

Em Belo Horizonte, as Regiões Noroeste e Barreiro registraram duas epidemias da enfermidade esse ano, com 35 crianças diagnosticadas com a síndrome, cerca de 32% do índice registrado no estado. A informação é da Secretaria Municipal de Saúde. Duas escolas de ensino infantil, nas duas regiões, registraram surtos da doença.

Entenda a doença

A síndrome mão-pé-boca é uma doença que pode ser contraída em contato com a saliva e com fezes. É causada pelo enterovírus Coxsackie, e o período de incubação da enfermidade é de sete a oito dias. “Ela se manifesta de algumas maneiras, mas geralmente é com uma febre de 38, 39 graus, mal-estar, como toda virose, e aí no segundo e terceiro dias começam a aparecer as lesões”, explicou Lúcia Paixão, diretora de promoção à saúde e vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte.

Durante o período em que o vírus da doença está ativo, a especialista alerta para a presença de lesões, além da boca, mãos e pés, também nas nádegas, podendo ser confundido com assaduras.“A evolução da doença é benigna, mas é preciso alguns cuidados. O repouso e a retirada da escola são alguns deles. O contato familiar não tem problema. Porém, é preciso manter as mãos de crianças e pais sempre higienizadas, assim como a superfície dos ambientes de convívio. Não é recomendado compartilhar copos e talheres usados pelo paciente”, salientou.

“O tratamento é sistêmico e não há medicação específica e nem vacina. Mas analgésicos que possam aliviar possíveis dores podem ser usados mediante prescrição médica”, alertou Lúcia Paixão, que ainda indicou a ingestão de líquidos para evitar desidratação.

 

 

Fonte: Hoje em Dia ||

Comentários
COMPATILHAR: