O números de crianças com até cinco anos de idade que registram casos de aids tem caído no Brasil desde o ano 2000. Apesar da queda, algumas regiões não tem acompanhado essa queda de índice. Euquanto a taxa de incidência da doença entre as crianças reduziu no Sudeste, houve um aumento de casos nas regiões Norte e Nordeste. Esse fato foi evidenciado no Saúde Brasil, uma publicação anual do Ministério da Saúde que traz dados sobre a saúde do brasileiro.
No Brasil, a prevalência da aids nos menores de 5 anos passou de 5,4 casos para três casos por 100 mil habitantes, de 2000 para 2009. Na Região Sudeste, a redução foi de 8,2 para 2,8 casos no mesmo período. No Norte, o movimento foi inverso do nacional, subindo de 1,9 para quatro casos por grupo de 100 mil habitantes. No Nordeste, a taxa cresceu de 1,4 para 2,3.
Nessa faixa etária, a maioria dos casos de contaminação ocorre de mãe para filho durante a gravidez, a chamada transmissão vertical. O próprio Ministério da Saúde conclui, na publicação, que a oferta de pré-natal de qualidade, com o teste de HIV nas gestantes, evitaria muitos casos infantis das doenças. ?Como o diagnóstico da infecção pelo HIV, no início da gestação, possibilita o efetivo controle da infecção materna e a consequente diminuição da transmissão vertical, o teste anti-HIV deve ser sempre oferecido, com aconselhamento pré e pós-teste, para todas as gestantes, na primeira consulta do pré-natal, independentemente de sua aparente situação de risco?, diz o documento.
A meta do Brasil é reduzir a transmissão vertical de 6,8%, taxa verificada em 2004, para menos de 2% até 2015. Em mais da metade dos casos, a infecção acontece durante o parto. De 2000 a 2009, foram identificadas 54.218 gestantes soropositivas no país, sendo que 75,6% viviam no Sul e Sudeste.

Comentários
COMPATILHAR: