No dia 15 de julho deste ano, após o portal denunciar o abandono por parte da administração e a consequente depredação das instalações do Centro de Artes e Esportes Unificados (Ceus), localizado no bairro Novo Horizonte, obra na qual foram investidos cerca de R$2 milhões; o vereador Luciano Luiz Duque enviou ofício para o Tribunal de Contas da União (TCU), pedindo que a aplicação das verbas fosse investigada.

No dia 17 de agosto, em nome do presidente do Legislativo, vereador Evandro Donizeth da Cunha (Piruca), Fernando Augusto Maia Machado, diretor da Secretaria de Controle Externo de Minas Gerais do TCU enviou ofício de notificação informando que o pedido feito por Luciano, via ofício, foi autuado como processo de Representação e que os autos já se encontram em fase de instrução.

O ofício foi lido durante a reunião do Legislativo de segunda-feira (22), quando o vereador comemorou a resposta do órgão e disse estar confiante de que o procedimento leve à punição de quem indevidamente aplicou as verbas e, até hoje, não colocou o Centro para funcionar.

A obra do Ceus teve início em 2012 e foi implantada com recursos do Orçamento Geral da União (OGU), na segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). A conclusão dos trabalhos estava prevista para maio de 2014, o que não ocorreu. Em agosto do mesmo ano (2014), a Câmara Municipal de Formiga recebeu correspondência assinada pelo diretor de Programas Especiais de Infraestrutura Cultural, do Ministério da Cultura, Germano Andrade Ladeira, solicitando ao Legislativo que verificasse o andamento das obras e a efetiva aplicação das verbas encaminhadas para este município.

A fiscalização foi feita e à época, os vereadores Arnaldo Gontijo e Luciano Duque estiveram no local, juntamente com o secretário Executivo da Defesa Civil e diretor do Setor de Fiscalização, José Lopes do Couto e encontraram salas arrombadas e danificadas, além de constatarem o roubo de equipamentos de proteção de incêndio, material elétrico, portas e metais dos sanitários, fiação e refletores. Na ocasião, a Polícia Militar foi acionada para registrar uma ocorrência.

Ainda sem soluções para o centro que jamais entrou em funcionamento, apesar do alto gasto, no dia 29 de abril de 2015, o vereador Luciano se reuniu com o secretário de Desenvolvimento Humano, Carlos Alberto Sales que explicou que por parte da secretaria não havia pendências e no Gabinete a informação é de que os 2% do trabalho que não estavam concluídos eram de responsabilidade da Cemig.

Já em julho deste ano, a informação mudou novamente, e apesar do portal ter constatado em duas oportunidades que não haviam vigias no local que se encontra em situação de total abandono, na época da denúncia a Prefeitura informou o seguinte:  “A obra em questão tem contado com dois vigias (um durante o dia e outro durante a noite). Neste ano, chegou a ser escolhida uma empresa para fazer os últimos serviços no local antes da inauguração. Porém, a empresa desistiu de realizar o trabalho. Assim, a Prefeitura de Formiga realizará nova licitação. A elaboração do termo de referência e os demais procedimentos já estão em andamento”.

Em entrevista, Luciano disse que persistirá em analisar o caso. “é um absurdo que a população do bairro espere até hoje para que o Centro funcione. Muito dinheiro foi investido e muito ainda se gastará para recuperar o que foi destruído. Por isso é necessário que a população também cobre que algo seja feito”, comentou.

Praça do Ceus

A Praça do Ceus é um equipamento público estruturado para integrar atividades e serviços culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços socioassistenciais, políticas de prevenção à violência e inclusão digital.

Naquele local foi construído: sala de cinema de 60 lugares, telecentro, biblioteca, salas multiuso e Centro de Referência em Assistência Social (Cras), pista de skate, jogos de mesa, espaço criança, quadra coberta, equipamentos de ginástica, kit básico esportivo e pista de caminhada.

Comentários