O técnico Bernardinho queria um bom teste para a seleção brasileira antes das finais da Liga Mundial, e conseguiu. A equipe verde-amarela confirmou o favoritismo e venceu a Venezuela por 3 a 0, parciais de 25/23, 25/16 e 29/27. No entanto, enfrentou adversários que deram trabalho e não se entregaram jamais. As duas equipes voltam a duelar na Goiânia Arena neste sábado, às 10h (horário de Brasília).
O Brasil entrou em quadra com Marcelinho, André Heller, Giba, André Nascimento, Gustavo, Dante e o líbero Serginho. Rodrigão, que voltou a jogar após quatro meses parado, ficou no banco. Comandada pelo brasileiro Ricardo Navajas, a Venezuela usou saques potentes para equilibrar a partida desde o início.
O time verde-amarelo, por sua vez, cometeu alguns erros na recepção e no passe – foram cinco pontos entregues para os adversários, o que irritou o técnico Bernardinho. Com a partida empatada em 22 a 22, a seleção brasileira se impôs, e André Nascimento brilhou. Com duas pancadas do oposto, uma no bloqueio adversário e uma diagonal, o time da casa fechou em 25 a 23.
No ginásio, a torcida goiana enlouquecia com a presença de Dante, nascido em Itumbiara. O jogador recebia mais atenção do que Giba, e, para as fãs apaixonadas, era o verdadeiro galã da seleção. Motivado pelo carinho e pela presença da família, o ponteiro brilhou durante o segundo set e ajudou o Brasil a vencer com muito mais facilidade por 25 a 16.
Venezuelanos reagem e dão trabalho no fim
O técnico Bernardinho não deu bola para a histeria da torcida e, para dar ritmo a outros jogadores, colocou Anderson no lugar de André Nascimento e Murilo no lugar de Dante. Mesmo já eliminada da fase final da Liga Mundial, a Venezuela voltou a fazer jogo duro, disposta a continuar viva na partida. Com uma boa atuação de Harry Gomez, o time de Navajas se beneficiou de erros brasileiros para passar à frente em 11 a 10. O Brasil se recuperou com Marcelinho, que cresceu na rede para empatar a partida. Gustavo foi para o saque e, com suas pancadas usuais, ajudou o time a abrir 15 a 12.
Giba, que voltou a jogar no último fim de semana, mostrou estar recuperado da lesão no tornozelo esquerdo: constantemente acionado por Marcelinho, não decepcionou. No fim, a Venezuela voltou a ameaçar, e o jogo ficou emocionante. Os adversários chegaram ao set point duas vezes, mas André Heller e Gustavo impediram os pontos da vitória. As seleções se alternaram no placar até que a qualidade do elenco brasileiro fez a diferença e o time da casa, com boas atuações de Anderson e Murilo, fechou em 29 a 27.

Comentários