Melhorar a condição de vida de crianças e adolescentes em regiões do semi-árido brasileiro é o desafio de centenas de municípios. Entre as metas estão a redução dos índices de mortalidade infantil e de desnutrição, incentivo de aumento nas taxas de escolaridade, aumento na assistência ao pré-natal e diminuição do número de adolescentes grávidas. As tarefas podem parecer simples, mas não são. As cidades geralmente são distantes dos grandes centros e não têm receita suficiente para investir em programas. Mas, em Minas Gerais, 71 delas deram exemplos de que vontade e perseverança vencem dificuldades e ficaram entre as finalistas do Selo Unicef Município Aprovado Edição 2008. Do total, apenas 17 levaram o título. Com iniciativas inovadoras, dentro da realidade que enfrentam, esses municípios mostraram que com ações até bem simples, como a construção e manutenção de uma horta comunitária, produzem resultados de qualidade. Por isso, elas receberam ontem em Recife (PE), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Selo Unicef. Foram contempladas ainda cidades do Espírito Santo e de 11 estados do Nordeste. A iniciativa mobilizou mais de 1,1 mil municípios no país.
Nova Porteirinha ?Um dos exemplos de sucesso está em Nova Porteirinha ? cidade de 7,4 mil habitantes, a 682 quilômetros de Belo Horizonte, no Norte de Minas. Um projeto que incentiva o aprendizado da arte de cerâmica é uma das medidas para o desenvolvimento intelectual de crianças e adolescentes no município, que também se destaca por ações na área de saúde. O Escrita do Barro é um projeto que conta com a participação de 85 crianças de 7 a 12 anos, que aprenderam como produzir peças de artesanato a partir do uso do barro, matéria-prima fartamente encontrada na região, às margens do Rio Gorutuba.
?Com o projeto, procuramos desenvolver a escrita por intermédio da arte. Com a montagem de peças de cerâmica e desenhos, as crianças tiveram a auto-estima elevada e adquiriram mais interesse pelas atividades na escola?, afirma a secretária municipal de Educação de Nova Porteirinha, Simone Soares de Almeida. Segundo a artista plástica Eliana Almeida, diretora de Cultura da cidade, o projeto foi conduzido de forma a ensinar para as crianças diferentes linguagens, mostrando para cada um dos participantes que são capazes e talentosos.
O projeto foi desenvolvido em três etapas. Primeiro, elas tiveram aulas de literatura infantil; depois, conheceram sobre a cultura popular da região e, por fim, os alunos aprenderam a confeccionar as peças em cerâmica, inspiradas em personagens das histórias infantis e também no trabalho desenvolvido por uma das ceramistas mais famosas e reconhecidas do Norte do estado, Ana Maria dos Santos, a Maria Buçu, morta há dois anos. ?Por intermédio da arte, as crianças desenvolvem o raciocínio e a coordenação motora. Assim, estamos ajudando a formar futuros cidadãos?, comenta Eliana.
Pré-natal

Em outra ponta de investimentos para alavancar os índices sociais da cidade, era necessário combater a mortalidade infantil. Para isso, o município investiu na realização de exames pré-natal, uma das ações mais importantes para erradicar o problema. ?Acreditamos que mais de 90% das gestantes do município fazem os exames regularmente?, diz a médica Ellen Cristine Bento, que trabalha na unidade básica de saúde de Nova Porteirinha. Ela diz que é desenvolvido trabalho com as grávidas, que participam de reuniões de grupo e recebem informações sobre a importância do acompanhamento médico. ?Quando elas não comparecem às reuniões, os agentes do Programa Saúde da Família (PSF) vão até suas casas para saber o que está ocorrendo e chamá-las para os encontros?, informa Ellen.
A doméstica Cleide Soares de Silva, de 25 anos, no quinto mês de gestação, sabe da importância do pré-natal. Ela conta que desde o início da gravidez realiza exames freqüentemente. ?Sei que o acompanhamento médico é muito importante para a saúde do filho da gente?, diz Cleide, que espera o seu quinto. ?Já fiz o ultra-som e sei que será um menino?, comemora.
A orientação contra o uso das drogas e a prevenção de outros problemas como a gravidez na adolescência são medidas que também contribuíram para que o município fosse um dos contemplados pelo Unicef. O trabalho é feito por meio de palestras ministradas para um grupo de 20 adolescentes da localidade rural de Paraguassu, distante 28 quilômetros da sede de Nova Porteirinha. ?Aprendi a importância de ficar longe das drogas. Isso me ajuda a crescer e orientar outras pessoas?, afirma o estudante Patrik Magno Oliveira Amaral, de 17, um dos integrantes do grupo. ?Depois das palestras, além de ter mais conhecimento, me sinto uma pessoa desinibida?, diz Patrícia Paz dos Santos, de 17, outra estudante de Paraguassu que participa do projeto.

VENCEDORES
Águas Vermelhas
Almenara
Araçuaí
Catuti
Cônego Marinho
Espinosa
Itacarambi
Mamonas
Montalvânia
Ninheira
Nova Porteirinha
Pai Pedro
Patis
Ponto dos Volantes
Rio Pardo de Minas
Salinas
Taiobeiras

Comentários