Durante a reunião da Câmara Municipal de segunda-feira (2), os vereadores aprovaram o projeto de lei substitutivo ao 234/2010, que autoriza a abertura de crédito suplementar no valor de R$ 400 mil para a Secretaria de Comunicação.
O projeto anterior, que entrou no Legislativo há mais de um mês, destinava a transferência de verba da Secretaria Municipal de Saúde para a Secretaria de Comunicação, o que despertou a indignação dos vereadores. Cid Corrêa/PR disse que ?eles fizeram uma emenda, aumentando o valor, retirando de algumas secretarias e colocando R$ 830 mil a mais na área da Saúde e, em seguida, entrou na Casa um projeto de lei retirando a verba de R$ 400 mil da Saúde para ser repassada à Comunicação. Eu disse que daria um parecer favorável para a Secretaria de Comunicação desde que mandassem um substitutivo ou fizessem uma emenda que não retirassem esses R$ 400 mil da área da Saúde. Como foi feito, eu dei minha palavra e meu parecer favorável? , disse.
O vereador Moacir Ribeiro/PMDB ressaltou que também não votaria a favor se a verba fosse retirada da Secretaria de Saúde. ?Sou a favor da comunicação, pois, sem a imprensa, não tem como nada progredir nesse país, eu vejo o quanto é importante a imprensa, mas o prefeito teve o bom senso com o pedido dos vereadores e mandou o projeto tirando de outras secretarias para atender o anseio da Secretaria de Comunicação, que precisa também de verbas para fazer a divulgação das coisas necessárias da Prefeitura? .
Reginaldo Henrique dos Santos (Dr. Reginaldo/PCdoB) lembrou que foi retirada da Secretaria de Comunicação, pelos vereadores, cerca de R$ 272 mil quando aprovado o orçamento para o ano de 2010. ?Com o projeto de R$ 400 mil aprovado, a secretaria ficou no lucro em R$ 130 mil. Eu quero ressaltar é que isso foi construído, o projeto foi no caminho certo. Havia um impedimento anterior que não poderia tirar mais verbas da secretaria. A mesa diretora participou da organização desse projeto, reavaliamos todas as verbas das demais secretarias para podermos tirar os R$ 400 mil e deslocar para a Comunicação e, assim, evitar tirarmos da Saúde, então isso foi uma construção, e poderia ter alguns percalços?, explicou. ?Se tivermos em Formiga uma gestão que gaste em torno de 35% da administração municipal na Saúde, teríamos uma gestão mais organizada, do jeito que está hoje, não vai dar para resolver? , concluiu.

Os bastidores
Não foi tão simples assim o caminho para a aprovação do projeto que destina R$400 mil para a Secretaria de Comunicação. Alguns vereadores estavam se opondo ao projeto e foram procurados para negociação.
No dia 23 de julho, ocorreu uma reunião da sede do Legislativo entre os vereadores José Geraldo da Cunha (Cabo Cunha/PMN), Eugênio Vilela/PV e José Gilmar Furtado (Mazinho/DEM); o secretário de Comunicação, Túlio Fonseca, e os radialistas Wilson José e Eduardo Batista. Já havia ocorrido outras reuniões entre membros do Legislativo e do Executivo para debaterem o assunto.
Após as conversas, foi proposta a alteração do projeto e a expectativa era de que ele fosse aprovado antes do recesso da Câmara em julho, o que não ocorreu. Os vereadores garantiram que votariam a matéria na reunião do dia 2 de agosto. Mesmo concordando em aprovar o projeto, os vereadores Cabo Cunha, Mazinho e Eugênio Vilela foram até o Ministério Público e fizeram uma representação contra o prefeito Aluísio Veloso para obrigá-lo a usar a verba aprovada para a Saúde no orçamento de 2010.
A redação do jornal Nova Imprensa e do portal Últimas Notícias apurou que quase que o projeto não desceu para a apreciação dos vereadores, pois, de última hora, um dos edis queria inserir uma emenda para que o dinheiro da Comunicação fosse usado apenas em Formiga. O presidente resolveu descer o projeto para o plenário, mas sob o risco de pedido de vistas, mas, ao final, ele foi aprovado por unanimidade.

Comentários
COMPATILHAR: