Não se assuste se ver um DeLorean DMC-12 no trânsito nesta quarta-feira, 21 de outubro de 2015. Pode ser a Máquina do Tempo do Dr. Brown, pois é exatamente nesta data que o cientista maluco programou a chegada do aparelho no futuro. 

de volta para o futuro darkside books bastidores 003

Foto: Divulgação

Há 30 anos era lançado o clássico ‘De Volta para o Futuro’, (Back to the Future) dirigido por Robert Zemeckis e estrelado pelos protagonistas Michael J. Fox (Marty McFly) e Christopher Lloyd (Dr.Emmett Lathrop Brown ). No final do primeiro

 filme da trilogia, Marty, Brown e Jennifer (Claudia Wells), namorada de Marty, decolam numa viagem ao futuro. No segundo filme, eles chegam neste 21 de outubro de 2015.

Além da dupla, um carro roubou a cena no filme. Zemeckis utilizou um DeLorean DMC-12 para ser a máquina do tempo. A aparição no cinema não salvou a marca da extinção, mas colocou para sempre o pacato esportivo na história. E olha que a ideia original era utilizar uma geladeira, objeto descartado com o medo das crianças escalarem o eletrodoméstico. Por outro lado, o DeLorean é cultuado até hoje por um monte de marmanjo.

neloren

Foto: Divulgação

 

Como em todas as visões futurísticas criadas pela ficção científica desde Júlio Verne, fica claro que fazer previsões é uma arte difícil, e os acertos são encontrados mais nas entrelinhas. E, claro, sempre haverá as empresas que tentarão pegar carona da popularidade dos filmes de Michael J. Fox (Marty McFly) e Christopher Lloyd (Emmett Brown).

A Nike, que pagou para ter sua marca exibida no filme, agora anuncia que os tênis futuristas que apertam os cadarços sozinhos exibidos em tela chegarão às lojas em 2015.

nike air mag interna

Foto: Divulgação

 Quer dizer que o filme acertou nisso? Não, só que a Nike sabe capitalizar em cima do filme. Essa e outras peças “inteligentes” de roupa ainda não são uma realidade do cotidiano. Um truque similar foi aplicado pela Hendo, da Califórnia. Inspirada pelo filme, ela criou sua versão dos “hoverboards”, skates sem rodinhas capazes de flutuar no ar.

No filme, Marty McFly usa o dispositivo para escapar de seus algozes de 2015. Enquanto no filme toda criança brinca com seu hoverboard, os aparelhos reais da Hendo custam US$ 10 mil, funcionam por apenas 15 minutos e só flutuam sobre superfícies metálicas. E, francamente, os próprios skates são hoje muito menos populares do que eram na década de 80.

12 acertos de de volta para o futuro ii sobre a casa em 2015

Foto: Divulgação

Onde ele acertou

Ainda assim, “De Volta Para o Futuro 2”, o segmento focado em 2015 (o primeiro se concentrou em 1985 e o terceiro, em 1885) enxergou muito do que a humanidade experimentaria em seu cotidiano três décadas depois.

Um dos grandes lampejos foi perceber que nos tornaríamos consumidores ainda mais vorazes de informação. Em tom de piada, vemos Marty McFly Jr. (o prototípico adolescente desse futuro fictício) escolhendo diversos canais de TV para ver ao mesmo tempo.

É bem verdade que o próprio conceito de “canal de TV” já está se tornando anacrônico, mas o comportamento é idêntico ao de jovens que abrem diversas janelas de um navegador na internet, para consumir conteúdo de vários sites diferentes.

 Outro acerto foi a aposta no 3D. Marty é confrontado com a popularização dos filmes tridimensionais, diante de um assustador holograma-trailer do filme “Tubarão 19”. (Embutida aí também está a previsão de que sequências cinematográficas se tornariam a regra, em vez da exceção, na indústria.)

tutu

Foto: Divulgação

 

Onde ele errou

Ainda não temos carros voadores. A revolução automobilística mais palpável no horizonte é o advento dos veículos que dirigem sozinhos. Mas estamos longe de transferir as rodovias para o ar.

carro

Foto: Divulgação

“De Volta Para o Futuro 2” também se mostra excessivamente otimista sobre transformações da matriz energética humana. Enquanto ainda nos debatemos com o uso do petróleo e o impacto que isso tem na transformação climática do planeta, o doutor Brown instalou em seu carro-máquina do tempo um dispositivo chamado “Mr. Fusion”.

A ideia é que, por meio de poderosas reações de fusão nuclear –as mesmas que operam no interior das estrelas– seria possível abastecer o carro com literalmente qualquer porcaria, de restos de cerveja a cascas de banana.

Enquanto isso, no mundo real de 2015, ainda não conseguimos produzir energia com fusão nuclear nem na escala do laboratório. Que dirá num dispositivo portátil para automóveis…

E, claro, o “erro” talvez mais evidente seja o de que não temos nem a mais vaga ideia de como construir uma máquina do tempo. Muito provavelmente, trata-se de uma ideia impossível.

 

Mas, no filme, ela se presta a uma mensagem bastante verdadeira: embora as tecnologias mudem ao nosso redor, o ser humano, em sua essência e seja qual for a época, permanece essencialmente o mesmo.

Confira um  trecho do filme:

 

 

Portal Estadão

COMPATILHAR: