Relatório da equipe médica do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, aponta que, das 904 pessoas detidas pelos atos terroristas no centro da capital, no último dia 8 de janeiro, 64 se recusaram a tomar vacina contra a Covid.

O documento foi assinado pela Gerência de Serviços de Atenção Primária no complexo prisional em 11 de janeiro, mas só foi divulgado pela juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais, nessa terça-feira (17).

O relatório não indica quais vacinas foram aplicadas nesses detentos, mas detalha as seguintes condutas:

“Entre 09/01/2023 e a presente data, especificamente quanto aos bondes extras, foram acolhidos e triados 904 (novecentos e quatro) internos, destes 134 foram vacinados”, diz o documento.

O relatório não deixa claro se os outros 706 detentos que passaram pela triagem tinham esquema vacinal completo – ou se a adesão à imunização contra Covid ainda estava sendo apurada.

A Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal informou que os presos não são obrigados a tomar vacina.

“É oferecida ao custodiado a possibilidade de se imunizar, sendo ofertada, dentre outras, a vacinação contra o coronavírus, sendo facultado o recebimento.”

  • 64 recusas para vacina de Covid-19;
  • 19 recusas para vacina de Hepatite B;
  • 19 recusas para vacina de Tétano;
  • 19 recusas para vacina Tríplice viral;
  • 02 recusas para vacina Pneumo 23.

Além das vacinas, a equipe médica do presídio ainda afirmou ter aplicado nos detentos testes rápidos para a Covid e outros testes para diagnóstico de HIV, sífilis, hepatites B e C. O procedimento é padrão para todos os presos.

Fonte: G1

Comentários
COMPATILHAR: