Há algumas semanas, surgiu o assunto de que a Escola Municipal de Música Eunézimo Lima (Emmel), deixaria de pertencer a Secretaria de Cultura e passaria a ser dirigida pela Secretaria de Educação. O tema foi até destaque nas reuniões da Câmara Municipal.
Na terça-feira (15), o prefeito Aluísio Veloso/PT confirmou que a Escola de Música permanece na Secretaria de Cultura. Outra decisão do chefe do Executivo, é que a Emmel não será transferida para a Casa do Engenheiro conforme especulações.
Segundo informou a secretária de Cultura, Maria Andrada, o prefeito determinou e já autorizou que sejam feitas melhorias na infraestrutura e na parte administrativa da escola, além do aumento no número de aulas e de alunos.
Maria Andrada ressaltou que a reforma consistirá em recuperação do telhado, retirada de vazamentos e infiltrações, pintura e outros consertos que forem necessários. Ela disse ainda que já foram adquiridos novos instrumentos, móveis e equipamentos para a Escola, que chegarão nos próximos dias.
Na quarta-feira (16), a secretária de Cultura se reuniu com o diretor da Escola de Música Eunézimo Lima (Emmel), Gibran Zorkot, com o secretário de Comunicação, Túlio Fonseca e com o professor de baixo, Deivdy Alves, para por um ponto final no assunto.
Gibran Zorkot disse que depois de vários estudos, os caminhos da Emmel estão muito seguros. ?Hoje temos muitos ex-alunos que estão na universidade, temos um que é musicoterapeuta e psicanalista e começou aqui na Emmel. Os alunos estão trabalhando com música hoje, em todos os segmentos. Nós percebemos toda a história da Emmel, todo um contexto e achamos melhor que a escola continuasse vinculada à Secretaria de Cultura. Devido às regras que a Educação exige talvez isso tomasse caminhos diferentes, do atual caminho. Depois de fazermos várias análises, chegamos a esta conclusão?,contou o diretor da escola.
O secretário de Comunicação, Túlio Fonseca, ressaltou que o assunto surgiu porque algumas pessoas chamam para si, a mania de resolver as coisas, em troca de um favor. ?Essa notícia saiu inicialmente em um jornal da cidade. Não existia nada, por parte dos envolvidos, no caso, o prefeito Aluísio Veloso, o secretário de educação, Geraldo Reginaldo de Oliveira, a secretária de Cultura, Maria Andrada e o diretor da Emmel, Gibran Zorkot?, disse.
Gibran Zorkot ressaltou que chegaram a pensar nessa possibilidade. ?Pensamos se seria melhor para a Emmel. Não que seria tomada a decisão. A questão é da administração querer melhorar. Foram feitos estudos e chegamos à conclusão de que, como está, pelas perspectivas que temos futuramente, as coisas vão melhorar mais ainda, então, essa ideia surgiu dentro de um estudo, para ver se realmente era melhor, pra gente perceber que caminhos tomar, se cresce mais, se não cresce, porque também há uma grande polêmica da obrigatoriedade, da lei criada pelo presidente Lula, para a implantação da disciplina de música nas escolas. Embasado ai, nós pensamos que talvez, se passasse para a educação, a gente poderia fazer a Emmel crescer mais. Mas achamos por vez, melhor continuar na Secretaria de Cultura. A ideia partiu da iniciativa de crescer, de estudo, olhando lá na frente?.
O diretor da escola contou ainda que as melhorias já estão acontecendo no local. ?Os pedreiros já estiveram aqui na escola, fizeram todo o orçamento necessário do material, já que é um prédio tombado, foi cuidadosamente pensado como fazer. A Emmel está adquirindo ainda alguns instrumentos musicais?, explicou.
Maria Andrada disse que não houve reunião formal. ?Eu reuni com os professores da escola, para tentar ouvi-los, pois eles estão ligados diretamente à situação. Nós resolvermos por eles seria uma coisa bastante autoritária. Então, achei que seria mais delicado e de uma forma mais justa e democrática, que ouvisse a opinião de todos eles. Foi legal, pois houve uma serie de perguntas. Na ocasião, só tinha eu para defender o ponto de vista que eu tinha, infelizmente não tinha o Geraldo [secretário de Educação] aqui, que talvez tivesse outra opinião, não sei. Ficou faltando uma opinião de quem acha que seria bom para a educação, pois, não houve essa pessoa para defender esse ponto de vista?.
A secretária ressaltou; ?o que levantamos aqui, o que foi visto, deu para ter uma noção de que uma coisa não exclui a outra. O que eu tentei mostrar pra eles, é que todos os músicos aqui podem participar da educação, eles podem ser contratados pela secretaria de Educação para darem aulas nas escolas, uma coisa não exclui a outra. A Emmel não precisa ir para a Educação, para os músicos trabalharem nas escolas, de jeito nenhum. Tanto é que músicos da Emmel, já estão dando aulas nas escolas. Existe essa possibilidade e a Emmel estando na Cultura, você tem aqui e lá?, disse.
De acordo com Gibram Zorkot, até outras pessoas que não são ligadas diretamente à Prefeitura foram ouvidas e se posicionaram sobre o assunto. ?Temos como exemplo o José Cleomar [responsável pelo Departamento de Comunicação do Unifor-MG]. É uma iniciativa até legal essa da Prefeitura de fazer um estudo, ter uma perspectiva, acho isso muito importante, uma coisa pensada. Qualquer atitude que possa vir melhorar a qualidade de vida do cidadão formiguense, tem que ser estudada, estar sempre em questionamentos, para perspectivas futuras?.
O diretor de música da Emmel contou ainda que estiveram na Delegacia de Ensino em Passos para buscar mais informações sobre o assunto. ?Fizemos visitas técnicas, estivemos em Passos, esse estudo na verdade agora que saiu o desfecho dele, mas ele já estava sendo pensado há uns dois anos. Fizemos vários contatos com o conservatório de São João Del Rei, com o conservatório de Barbacena, agora que isso estourou, mas já estávamos lá atrás pensando?, contou Gibran.
Segundo Maria Andrada, está sendo votada no Senado a PEC 150, permitindo ajuda de 2% do governo federal, 1,5% estadual e 1% municipal, para a Cultura. ?Desde a primeira conferência Nacional de Cultura que foi em 2005, a proposta mais trabalhada é que a Cultura tivesse verbas vinculadas, assim como existe na Educação e na Saúde. Temos hoje um grande apoio municipal, pois eu falo que temos um Prefeito que é da Cultura, uma pessoa apaixonada, que tem vontade de fazer o município crescer culturalmente?.
Criação de um conservatório
Maria Andrada revelou que o prefeito Aluísio Veloso conversou com pessoas de diversos segmentos e propôs a criação de um conservatório na Emmel. ?Nós também buscamos essas informações. Eu, Gibran e Geraldo visitamos outros conservatórios para que servissem de modelo, fomos na Secretaria Estadual em Passos, para saber o que era necessário para fazer essas mudanças. Vimos que era uma coisa muito regimentada, então, achamos que era melhor continuar do jeito como está e tentar realmente fazer com que a Emmel seja um conservatório, mas nos moldes objetivados pela Cultura. A própria inspetora nos aconselhou a não ?mexer? com isso, a manter a escola de música nesses moldes?, ressaltou a secretária
Gibram disse que atualmente vários alunos que iniciaram na Emmel estão hoje em universidades renomadas. ?Temos ainda alunos especiais aqui na escola, altistas, deficientes auditivos, deficientes físicos. Atendemos desde crianças até pessoas idosas?, contou
Transferência para a Casa do Engenheiro
Sobre a questão de transferir a Escola de Música para a Casa do Engenheiro, Maria Andrada contou que isso também foi analisado. ?A Prefeitura ultimamente tem feito um esforço muito grande para otimizar seus espaços. Achar locais da Prefeitura para serem utilizados, para não ter que ficar alugando. A escola anteriormente ia para o Edifício Antônio Vieira, caso a Secretaria de Saúde saísse de lá, isso ainda está em aberto, ai se levantou essa possibilidade da Emmel ir para a Casa do Engenheiro?.
?Nós analisamos a planta do local e os espaços lá são grandes, então, teríamos que fazer subdivisões que descaracterizariam o imóvel, isso nós não queremos, pois estamos fazendo uma restauração no local, para que seja mantido como sempre foi. Outro aspecto é o local ser ermo, escuro, pois a escola atende muitas crianças e elas passarem por ali, na trincheira, não seria uma coisa muito adequada?, explicou a secretária. A secretária falou sobre dois projetos arquitetônicos. ?Estamos mandando esses projetos para diversos órgãos em busca de recursos para a construção, temos o projeto de um teatro e de uma casa de artes que abrigariam a Emmel e o Núcleo Artístico [Maestro Zezinho]?. A Emmel conta atualmente com 12 professores e cerca de 400 alunos.

Comentários
COMPATILHAR: