Estudantes das instituições de ensino de Córrego Fundo assistiram à palestra de Wanderlei Paulo de Brito, presidente do Conselho Municipal Anti-drogas (Comad), de Arcos, sobre crimes de exploração sexual para jovens e crianças. As atividades ocorreram na quinta e sexta-feira (23 e 24), nas escolas municipais Tereza Maria de Faria Vaz e Rafael José Alves e na Escola Estadual Padre José Sangali.
Com abordagem diferenciada para cada faixa etária, Wanderlei discutiu sobre temas referentes à sexualidade e os riscos para as crianças e adolescentes. Assim, ele explicou os cuidados que se deve ter para evitar situações de abuso e exploração sexual nestas idades.
O evento foi promovido pelo Conselho Tutelar de Córrego Fundo por meio da Secretaria Municipal de Políticas Sociais.
Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infanto-juvenil
Neste ano, o dia 18 de maio marcou as manifestações de campanhas de conscientização da população quanto a esse tema de grande relevância social. Se o abuso sexual pode trazer impactos negativos para a vida de um adulto, para os mais jovens é ainda pior.
De acordo com o psicólogo do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) de Córrego Fundo, Juarez Geraldo da Cunha, de imediato, o abuso ou violência sexual pode causar danos ao comportamento, prejudicar a aprendizagem, dificultar o autoentendimento e a confiança nas outras pessoas. Em médio e longo prazo, pode persistir a dificuldade de comportamento, de relacionamento e o desenvolvimento de diversas doenças como a depressão e ansiedade.
O psicólogo alerta os pais e familiares sobre a violência sexual. É importante ficar atento a qualquer mudança de comportamento das crianças e adolescentes que possam indicar que foram abusados. Em caso de suspeita ou certeza de violência, deve procurar o Conselho Tutelar que encaminhará ao Cras para que possamos fazer acompanhamento.
Ele ainda adverte que, muitas vezes, a pessoa responsável por praticar o abuso é do convívio de quem é abusado. Outra característica comum é fato de o abusador ter sofrido violência sexual na infância.

Comentários