Prestes a completar 110 anos de existência, no próximo 30 de abril, o América já passou pelos mais adversos momentos possivelmente proporcionados pelo futebol.

Mas, entre idas e vindas, altos e baixos, a noite desta quarta-feira (2) tem sido considerada a mais importante da história do clube. A partir das 19h15, o alviverde encara o Guaraní-PAR, no estádio Defensores del Chaco, valendo vaga na terceira fase da Copa Libertadores.

Pela primeira vez, disputando o torneio continental, os comandados do técnico Marquinhos Santos terão a oportunidade de escrever um capítulo épico, quando a bola rolar logo mais na capital paraguaia.

Para atingir o objetivo, porém, só a vitória interessa ao América. Isso porque o Guaraní venceu o primeiro jogo por 1 a 0, no Independência, e pode seguir na Libertadores até mesmo com um empate. Ao Coelho, resta vencer por dois ou mais gols de vantagem, para carimbar a classificação no tempo normal. Supremacia mineira por apenas um gol de diferença durante os 90 minutos leva a decisão para as cobranças das penalidades.

O secular Coelho ainda engatinha no principal torneio da América do Sul. No entanto, quer mostrar que cresceu o suficiente para se impor na competição internacional.

“O Guaraní fez um jogo que eles acreditavam (no Independência) e tiveram a felicidade. Em três finalizações, encontraram uma. Que a gente possa usar toda a estratégia de marcar firme, não sofrer gol, colocar o nosso jogo, concluir bem e conseguir a classificação”, avalia o lateral-direito Patric.

Em relação ao compromisso da volta, Marquinhos Santos não revelou o time, mas tem à disposição o meio-campo Alê, curado de Covid-19, e o zagueiro Gérman Conti, livre de suspensão.

Fonte: O Tempo

Comentários
COMPATILHAR: