A realização da prova do concurso público para preenchimento de vagas no Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), neste domingo (9), na Universidade Fumec, em Belo Horizonte, foi marcada por uma confusão. Candidatos ao cargo de gestor de transportes e obras públicas alegam que a prova de direito foi entregue com uma hora e meia de atraso e chegou às salas em pacotes violados. Os mais de cem candidatos afetados não fizeram a prova e registraram boletim de ocorrência. Eles pediram a anulação do concurso.
O certame é da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) e realizado pelo Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC). O governo disse, em nota, que irá cancelar as provas de carreiras de Gestor de Transportes e Obras Públicas (Direito e Administração) e Fiscal de Transportes de Obras Rodoviárias (Administração), que compartilhavam as três salas nas quais houve tumulto. As provas serão reaplicadas em nova data a ser previamente marcada e comunicada oficialmente. Para essas carreiras e áreas de conhecimento, o concurso recebeu 1.158 inscrições.
A executora do concurso já foi acionada pela Seplag para apresentar os devidos esclarecimentos técnicos sobre o ocorrido. Após essa apuração, serão tomadas as medidas cabíveis para o devido cumprimento do contrato. O IBFC não atendeu às ligações da reportagem.
Núbia Fernandes Alves Diniz, de 31 anos, foi uma das candidatas que se sentiu lesada. Segundo ela, houve descaso e falta de organização para gerenciar a falha. ?Isso é um absurdo que fizeram conosco. Queremos que o processo seja anulado, pois nem sequer fizemos a prova?, afirmou em nome do grupo, antes da decisão do governo.
Ainda de acordo com Núbia, depois de uma hora e meia aguardando, os alunos já estavam exaltados. Quando as provas chegaram, e em pacotes violados, eles se recusaram a iniciar o processo seletivo. ?As provas chegaram sem lacre?, afirma.
O tumulto, porém, não casou indignação apenas nos candidatos que não receberam as provas. Outros aspirantes às vagas se sentiram lesados pelo alvoroço. ?Não consegui me concentrar por causa do barulho e da movimentação constante. As pessoas estavam filmando e usando o celular?, diz Paula Reis, de 24 anos, que fez a prova de administração.
Ela se refere ao momento em que os concorrentes que não obtiveram o exame pegaram os aparelhos telefônicos, que estavam lacrados, para gravar as explicações dos fiscais.
Durante a confusão, os candidatos permaneceram no prédio e ligaram para Polícia Militar (PM). A corporação informou que, neste caso, não poderia fazer nada, e os orientou a fazer um boletim de ocorrência. Depois disso, os candidatos decidiram deixar o prédio e foram a uma delegacia registrar a queixa.
Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Seplag informou que a execução do concurso está a cargo do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC) e que as provas foram realizadas simultaneamente em Belo Horizonte, Teófilo Otoni, Patos de Minas, Montes Claros, Uberlândia e Varginha.
Em Belo Horizonte, a Seplag esclareceu que em 19 salas da unidade Face II, da Fumec, houve atraso de aproximadamente 50 minutos na entrega das provas para a carreira de Gestor de Transportes e Obras Públicas/Direito. Em função do atraso, os candidatos tiveram esse mesmo tempo de acréscimo para a realização das provas, de acordo com a assessoria.
O fato provocou tumulto entre um grupo de candidatos de três salas ocupadas por candidatos de Direito e Administração, que se recusou a fazer as provas e abandonou o local. As reclamações foram registradas em ata pela equipe do IBFC.
Vagas
O concurso é para preenchimento de 306 vagas como Gestor de Transportes e Obras Públicas, Fiscal de Transportes e Obras Rodoviárias, Agente de Transportes e Obras Públicas e Fiscal Assistente de Transporte e Obras Rodoviárias do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e Departamento de Obras Públicas (Deop).

Comentários