Os vereadores haviam trancado a pauta de votações na semana passada. O motivo maior seria o atendimento precário no PAM, alvo de diversas reclamações de pacientes e acompanhantes. Nesta semana, voltaram atrás, destrancaram a pauta e aprovaram 19 projetos, quatro deles, de interesse da Secretaria de Saúde, num montante de R$5 milhões.
O projeto 210/2014 autoriza o Poder Executivo a abrir no orçamento vigente, crédito especial no valor de R$47.081,18. Este recurso será utilizado para a compra de medicamentos para a Farmácia Popular, visando à distribuição gratuita de remédios, principalmente para a população mais carente, explica a justificativa do projeto.
Para autorizar a abertura de crédito suplementar no valor de R$888.326,86, foi aprovado o projeto de lei 211/2014. A proposta visa garantir a utilização, pela Secretaria de Saúde, de recursos provenientes do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial do exercício 2013, também visando melhorias no atendimento na área da saúde pública.
Já em outro também aprovado, liberou-se crédito suplementar, de R$3.712.700. De acordo com o projeto de lei 212/2014, o montante visa possibilitar ao município a realização de pagamento de despesas essenciais de serviços na área da saúde.
O último projeto votado foi o de nº 215/2014, abrindo crédito especial, no valor de R$360 mil, para a aquisição de um mamógrafo digital. O equipamento se destina ao atendimento de pacientes que dependam deste exame preventivo. O velho equipamento, que por diversas vezes esteve quebrado e que tem sido motivo de várias reclamações por parte da população, tudo indica, agora finalmente será substituído por outro mais moderno.
O recurso aprovado é parte de convênio celebrado com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, no valor de R$200 mil, com necessária contrapartida da Prefeitura no valor de R$160 mil.
O valor total dos repasses, que constam nos quatro projetos soma R$ 5.008.108,04.

Comentários
COMPATILHAR: