A Associação Protetora dos Animais de Formiga (Apaf) está precisando de doações para dar continuidade ao trabalho de castração, que vem sendo realizado em Formiga, desde março de 2012. Mais de 700 animais, entre cães e gatos, já foram castrados no município.
De acordo com a Apaf, até junho do ano passado, a associação era responsável pelo pagamento de um veterinário que vem, diretamente, de Belo Horizonte para castrar os animais, no Centro de Defesa da Vida Animal (Codevida), órgão ligado à Secretaria de Gestão Ambiental. Desde então, a despesa foi repassada para a Associação de Proteção Ambiental de Divinópolis (Arpa II), e as verbas destinadas para a Apaf, provenientes de multas ambientais do Ministério Público, foram utilizadas para tratar os animais doentes. No entanto, segundo a associação formiguense, em dezembro do ano passado, a Arpa II paralisou o repasse de verbas, pois assumiu outro compromisso com o município. Dessa forma, o dinheiro que a Apaf tinha em caixa foi, praticamente, todo utilizado para pagar as 120 castrações, no mês de janeiro.
A quem puder apadrinhar a castração de um animal, o valor é de R$50 por mês, pois é a quantia paga por cada procedimento cirúrgico. Os colaboradores da Apaf buscarão o dinheiro nas residências, na data agendada pelos doadores. Mesmo quem não puder doar o valor cobrado nas castrações, pode contribuir com qualquer quantia. Mais informações sobre a doação entre em contado pelo e-mail: [email protected] ou pelo Facebook: Associação SOS Animais ? APAF Formiga.
A associação tem duas contas na Caixa Econômica Federal. Para quem preferir fazer depósito, a conta poupança é agência 0115, operação 013, conta 14418-2. A conta corrente é agência 0115, operação 003, conta 824-9.
A Apaf
A Apaf foi fundada em agosto de 2011 e, atualmente, é formada por 50 membros fundadores. Desse número, pouco mais de 15 são atuantes.
Desde a fundação da Apaf já foram resgatados mais de 100 animais, vítimas de abandono, atropelados, ou foram encontrados doentes pelas ruas, inclusive com câncer na área genital. Por exemplo, neste último caso, a associação paga clínicas veterinárias para tratar os animais em sessões de quimioterapia. O tratamento leva um mês. Após o tratamento, como não existe abrigo ou canil em Formiga, a associação tenta colocar os animais em lares temporários para que eles sejam adotados, e devolvidos às ruas.
Os animais são recolhidos por funcionários do Codevida e levados para serem castrados na sede da instituição e, logo após, devolvidos para o lugar de onde foram recolhidos. A castração não impede que o animal seja devolvido para a rua, pois já sai medicado, inclusive com antibióticos e anti-inflamatórios.
Dados da Secretaria Estadual de Saúde apontam que Formiga conta com uma população estimada em 9.974, sendo 9.068 cães e 906 gatos. Para haver controle populacional, pelo menos 25% dos animais existentes no município, devem ser castrados no prazo de cinco anos.
A Associação está na expectativa de firmar um convênio com a Prefeitura Municipal de Formiga, em cumprimento a um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), feito perante o Ministério Público, para que aumente o número de castrações mensais, e para que sejam realizadas consultas em animais de rua e de pessoas carentes.
Contra abrigos
A Apaf é contra abrigos e canis. ?Após visitarmos outras ONGs e associações de outras cidades, verificamos que este tipo de procedimento não funciona, tendo em vista que além de virarem depósito de animais, em todos os casos, há grande sofrimento dos animais que lá permanecem. Há ainda o sofrimento e falência das instituições, sendo que seus fundadores acabam arruinados, com várias dívidas e com processos por maus-tratos. Por isso, a Apaf investe em castrações, denúncia de maus-tratos, abandono, e incentivo da guarda responsável?, ressalta a associação.
Lares provisórios
A associação pede a ajuda da população para ceder suas residências, provisoriamente, para que os animais de rua recebam alimento, até serem adotados, o que, segundo a Apaf acaba acontecendo, em mais ou menos tempo. A contribuição pode vir, também, por meio da doação de ração. ?Os animais não tem voz, mas as pessoas que cuidam deles têm?, ressalta.
Nas ruas, os cães estão desprotegidos e se tornam alvo fácil da maldade de pessoas que não gostam dos animais. Segundo a associação, somente nesta semana foram encontrados seis cachorros com sintomas de envenenamento e um foi achado morto nas imediações do Terminal Rodoviário. Os maus-tratos aos animais é crime ambiental e o agressor pode pegar pena de detenção de três meses a um ano, inclusive multa.
Denúncia
Qualquer cidadão que queira relatar abuso ou maus-tratos a animais poderá requerer a lavratura de um Boletim de Ocorrência perante a Polícia Militar ou a Civil (Delegacia de Polícia). Em caso de flagrante delito, o cidadão poderá requerer a presença de uma viatura no local da ocorrência, devendo, nesse caso, esclarecer que está presenciando um crime ambiental (art. 32 da Lei nº. 9.605/1998), orientou a promotora Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Luciana Imaculada, em entrevista ao jornal em 2011.
Poderá, ainda, comunicar à Promotoria de Justiça de Meio Ambiente, situada à praça José Barbosa Júnior (antiga Unimed) ou pelo telefone (37) 3322-8107.

Comentários
COMPATILHAR: