A Prefeitura de Belo Horizonte recebeu somente nessa terça-feira (31) a lista com nomes de torcedores que compareceram ao jogo entre Atlético e River Plate, no último dia 18, no Mineirão, pela Libertadores.

O clube enviou o documento 13 dias após a partida, o que pode permitir o monitoramento do evento, mas inviabilizaria um trabalho de rastreamento em possíveis casos de transmissão do Sars-Cov-2 entre presentes nas arquibancadas. Aproximadamente 17 mil pessoas teriam comparecido ao estádio na data.

Já a lista com os torcedores cruzeirenses que compareceram ao Mineirão para o jogo entre Cruzeiro e Confiança, pela Série B do Brasileirão, ainda não foi enviada pelo clube. Cerca de 4 mil pessoas teriam assistido presencialmente à partida.

Nos dois jogos realizados com público, o protocolo sanitário exigia a apresentação de resultado negativo para teste RT-PCR ou de antígeno realizado com até 72 horas de antecedência. Mas a permissão para a realização de jogos de futebol com torcida foi suspensa pela Prefeitura após divulgação de cenas de torcedores sem máscara e aglomerados no estádio.

A Secretaria Municipal de Saúde afirmou que, agora com a lista passada pelo Atlético, será possível realizar um monitoramento, utilizando os dados indicados pelos torcedores durante a compra de ingresso, como CPF e telefone. “Sendo assim, caso adoeçam, será feita uma investigação para saber se foram infectados no estádio, e se os eventos impactaram nos números da cidade”, diz a pasta.

Mas o envio da lista com nomes de torcedores também poderia permitir um trabalho de rastreamento de casos positivos. O período de incubação do Sars-Cov-2 acontece de 2 a 14 dias, ou seja, é neste tempo em que o vírus costuma ser transmitido para outras pessoas. Se um caso for detectado rapidamente, é possível identificar contactantes e recomendar que eles façam o teste para a Covid e façam isolamento, se houver resultado positivo.

Para o infectologista Leandro Curi, o envio tardio da lista com nomes dos torcedores é mais um erro de estratégia de um evento que foi marcado por muitas quebras de protocolos. “Fizemos um teste e não passamos. As cenas de pessoas sem máscara e aglomeradas no dia do jogo foram assustadoras”, opina.

Curi é cético em relação aos resultados que a prefeitura poderá ter no trabalho de monitoramento. “Temos que esperar os números para saber, mas não vejo como uma grande estratégia epidemiológica. Isso porque a pessoa pode ter se contaminado no estádio ou não, pode ter se contaminado na portaria do prédio, no trabalho, em qualquer outro lugar. Por outro lado, muitos assintomáticos podem ter se contaminado ali no jogo e terem transmitido o vírus, sem que isso possa ser identificado”, explica.

Mesmo sem ações para um rastreamento, o monitoramento é fundamental para verificar se o protocolo pode ser repetido em jogos futuros. De acordo com o epidemiologista José Geraldo Leite Ribeiro, o cruzamento de dados sobre casos positivos e internações com a lista de torcedores pode trazer informações importantes para saber se houve transmissão do vírus dentro do estádio. “Claro que uma pessoa pode ter se infectado depois do jogo, mas não ter pegado o vírus no estádio. A intenção é verificar se nesse grupo houve um maior número de infectados em relação ao restante da população”, explica. 

Sem casos suspeitos até o momento

Até o momento, os organizadores do jogo da Libertadores não informaram sobre casos suspeitos de infecção por coronavírus entre torcedores. Isso poderia acontecer se algum participante do evento tivesse comunicado à organização sobre um quadro clínico compatível com a Covid.

“Conforme descrito na Portaria SMSA/SUS-BH Nº 0336/2021, a organização do evento deve manter, por trinta dias contados da data da realização do evento, a lista de participantes (convidados, colaboradores e organizadores) com nome completo e telefone para fins de rastreamento epidemiológico a ser demandado, caso necessário”, informa a secretaria.

Quando um caso suspeito de Covid é detectado entre participantes de um evento, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada para o início de rastreamento de outros contactantes. Quem testa positivo, deve ficar em isolamento por 14 dias.

A assessoria de imprensa do Atlético afirmou que a lista foi entregue no tempo adequado, para que todas as informações fossem recolhidas. A assessoria do Cruzeiro afirmou que o clube se pronunciará sobre essa questão no momento oportuno.

Fonte: O Tempo

Comentários
COMPATILHAR: