A chuva de granizo que atingiu Belo Horizonte e cidades da região metropolitana na noite dessa segunda-feira (6) deixou um rastro de destruição.  A tempestade foi acompanhada de vendaval.

O temporal atingiu bairros da região da Pampulha e Noroeste e Contagem. O Corpo de Bombeiros registrou quedas de árvores em diversos pontos da capital. Moradores também ficaram sem luz e as ruas alagadas porque as bocas de lobo ficaram entupidas por folhas. Treze casas foram destelhadas.

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) não informou a quantidade de consumidores prejudicados, mas disse que a região mais afetada foi a Pampulha.

A Cemig recebeu tantos chamados que empresa suspendeu a troca de turnos e esticou o horário de quem já estava trabalhando. Os funcionários que estavam em casa, de sobreaviso, foram convocados, e o trabalho entrou pela madrugada para normalizar o fornecimento de energia.

Ainda na mesma regional, no bairro Castelo, estruturas que cobriam os veículos na garagem foram derrubadas. No mesmo condomínio, vários apartamentos tiveram os vidros de janelas quebrados. “Foi aterrorizante. Na hora fui na cozinha pegar um pano porque achei que era só uma chuva. Quando veio o granizo, vidro pra todo o lado e eu só consegui me esconder no corredor enquanto a casa toda ficou quebrada”, disse a técnica de enfermagem Maria Meyer.

No Estádio Independência, no bairro Horto, Região Leste, o jogo entre Atlético-MG e Internacional, pelo Campeonato Brasileiro, foi suspenso, aos oito minutos do segundo tempo. Assim que a pancada passou, o árbitro recomeçou a partida, mas teve de parar novamente por causa da falta de energia no estádio. Ao todo, o jogo ficou parado por 22 minutos por conta da chuva.

Houve consumidores sem luz em Contagem, Betim e, em menor número, em Nova Lima e Sabará, na Grande BH. Em Pará de Minas, na Região Centro-Oeste do estado, também houve chuva de granizo.

Em um hospital, na Região Nordeste da capital, a água entrou pelo elevador e escorreu para a ala de hemodiálise e para vários outros setores. O prejuízo ainda não foi calculado, mas alguns procedimentos devem ser cancelados nesta terça feira. A gerente-geral da Fundação Hospitalar São Francisco, Adriana Melo, disse nesta manhã que ainda não tinha avaliado os prejuízos.

No bairro Sagrada Família, em BH, rua foi coberta por pedras de granizo (Foto: Daniel Gonçalves/Arquivo pessoal)


Chuva atípica

A Defesa Civil considerou que a chuva de granizo foi atípica e explicou que ela foi resultado da passagem de uma frente fria sobre a região metropolitana. Em pouco mais de duas horas, choveu o equivalente a 20 milímetros de água por metro quadrado – mais do que o esperado para todo o mês de agosto que é de 14,8 mm.

O meteorologia do Instituto Climatempo Ruibran dos Reis também reiterou que este tipo de chuva em agosto não é comum.

 

Fonte: G1 ||

Comentários
COMPATILHAR: