As mudanças que o presidente venezuelano Hugo Chávez pretende fazer na Constituição produziram mais do que preocupação dentro e fora do país. Os protestos têm se multiplicado.
O presidente quer a aprovação de 69 artigos da Constituição, que foram alterados e já aprovados pela Assembléia Nacional. Entre eles, o que acaba com o limite de reeleições do presidente, o que pode levar Chávez a ficar no poder por muito tempo. No domingo, o presidente ameaçou punir os canais de televisão, que, segundo ele, estão incitando a um golpe de estado, propondo manifestações até que ele caia, mas ex-aliados do presidente é que começam a acusar Chávez de planejar um golpe.
Universidade, igreja, classe média. A rejeição ao projeto de Hugo Chávez já uniu vários setores da sociedade venezuelana. Nesta segunda, por exemplo, o ex-ministro da Defesa, general Raul Baduel, convocou as Forças Armadas a estar em regime de alerta porque elas devem ?servir à nação e não a um homem ou a um partido político?.
Só a oposição não consegue se unir. Analistas afirmam que as forças oposicionistas estão prestes a cometer um grave erro de conseqüências imprevisíveis: o de orientar os eleitores a votar pela abstenção no dia do plebiscito.

Comentários