O Conselho de Ética da Câmara arquivou nesta terça-feira (16) uma representação contra o deputado Paulo Magalhães (DEM-BA), que respondia a acusações de favorecimento à construtora Gautama.
A empresa foi investigada na Operação Navalha, da Polícia Federal, por suspeita de fraudes em licitações e superfaturamento de obras.
Os sete membros do conselho acataram o parecer do relator, o deputado Moreira Mendes (PPS-RO). Segundo informações da assessoria Conselho de Ética, Moreira Mendes afirmou que houve precipitação do Psol na representação.
?Os diálogos interceptados estão longe de ser conclusivos para afirmar que teria ocorrido o pagamento de R$ 20 mil ao deputado?, disse, de acordo com a Agência Câmara.
Cabe recurso à decisão do Conselho de Ética. Para que o processo seja revisto, é necessário um requerimento de 51 deputados, feito dentro de um prazo de cinco sessões ordinárias da Câmara. Caso isso não ocorra, o processo será arquivado definitivamente.

Comentários